2
Contactos
Av. 5 de Outubro, Faro 8004-069 Faro
289826007
Oferta formativa

Oferta Formativa

Consulte informações sobre a oferta formativa

Documentos

Documentos

Consulta e download de documentos e formulários.

Legislação

Legislação

Consulte a legislação em vigor

 

     

             

 

Encontra as outras  edições no separador DOCUMENTOS

 
     
 
 

Cátedra UNESCO Futuros da Educação nas redes sociais

Clique nos links para aceder:

LinkedIn
Instagram

Facebook

DIVULGAÇÃO

534

A EQUIPA MULTIDISCIPLINAR DE APOIO À EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO RECURSO ORGANIZACIONAL
Exclusivo a docentes do Agrupamento João da Rosa

Curso

 

25.0 horas

 

Presencial

 

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Escola João da Rosa- Biblioteca António Macheira

Esta formação surge com o sentido de dar resposta e auxílio às dúvidas na criação/funções e raio de ação da Equipa Multidisciplinar de Apoio à Educação Inclusiva, fundamentada no decreto lei 54/2018 da Educação Inclusiva.
Ler mais Ler menos

Ref. 3901 Inscrições abertas até 12-04-2024 INSCREVER-ME

Registo de acreditação: XZCZVX

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 16-04-2024

Fim: 30-05-2024

Regime: Presencial

Local: Escola João da Rosa- Biblioteca António Macheira

Formador

Paula Solange de Oliveira Calão Ferrinho

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Ria Formosa

Enquadramento

Esta formação surge com o sentido de dar resposta e auxílio às dúvidas na criação/funções e raio de ação da Equipa Multidisciplinar de Apoio à Educação Inclusiva, fundamentada no decreto lei 54/2018 da Educação Inclusiva.

Objetivos

Capacitar os formandos para o acompanhamento e monitorização das medidas de apoio à Inclusão e à Aprendizagem. Fomentar a partilha de práticas pedagógicoas inclusivas de toda a comunidade educativa. Compreender e discutir o potencial de cada medida de apoio e suporte à inclusão e à aprendizagem. Adquirir conhecimento sobre algumas estratégias de intervenção no ensino, as quais poderão ser aplicadas consoante o perfil específico da criança a quem se destinam, nomeadamente das áreas onde se encontram as suas dificuldades Compreender como avaliar cada aluno e como atribuir as medidas no âmbito do processo de ensino aprendizagem; Sensibilizar a comunidade educativa para a educação inclusiva;

Conteúdos

Enquadramento teórico - Suporte Legal: - Decreto-lei nº 54 de 2018, nº 55 de 2018 e a Portaria 223A de 2018 • Recursos organizacionais em Educação inclusiva: - Equipa Multidisciplinar de Apoio à Educação Inclusiva (EMAEI): - Organização - Competências e eixos de intervenção - Medidas de suporte à aprendizagem e à inclusão - Determinação de necessidades de suportes à aprendizagem e à inclusão • O Processo • A monitorização • Acompanhamento - Recursos específicos de apoio à aprendizagem e à inclusão. - O Docente de Educação Especial - Os Assistentes Operacionais; - Outros Técnicos especializados. - Centros de Apoio à Aprendizagem (CAA): - recursos humanos, recursos materiais - funcionamento • competências • eixos de intervenção • Elaboração de um projeto de Intervenção - Formação dos grupos de trabalho e delineamento do plano de ação – Trabalho colaborativo; - Construção/elaboração do projeto para a operacionalização das funções e competências da EMAEI na estrutura do Agrupamento de Escolas; • Apresentação e reflexão dos trabalhos produzidos

Bibliografia

Decreto-Lei nº54/2018, de 6 de julho. Aprendizagens Essenciais – Ensino Básico (https://www.dge.mec.pt/aprendizagens-essenciais-ensino-basico) Cosme, Ariana, & Trindade, Rui (2013). Organização e gestão do trabalho pedagógico: Perspectivas, questões, desafios e respostas. Porto: Livpsic Fernandes, D. (2014). Avaliação das aprendizagens e políticas educativas: o difícil percurso da inclusão e da melhoria. In M. L. Rodrigues (Org.), Quarenta anos de políticas de educação em Portugal: A construção do sistema democrático de ensino (Volume I, pp. 231-268). Coimbra: Almedina. Disponível em: http://hdl.handle.net/10451/16010 UNESCO. (2015). Embracing Diversity: Toolkit for creating inclusive, learning-friendly environments. Disponível em http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001375/ 137522e.pdf


Observações

16/04/2024 17:30-20:30 (3 HORAS) 23/04/2024 17:30-20:30 (3 HORAS) 07/05/2024 17:30-20:30 (3 HORAS) 14/05/2024 17:30-20:30 (3 HORAS) 21/05/2024 17:30-20:30 (3 HORAS) 23/05/2024 17:30-21:00 (3,5 HORAS) 28/05/2024 17:30-21:00 (3,5 HORAS) 30/05/2024 17:30-20:30 (3 HORAS)


INSCREVER-ME
513

ANAMORFOSES E PERSPETIVAS ESFÉRICAS, OU COMO DESENHAR À MÃO AMBIENTES DE REALIDADE VIRTUAL

ACD

 

6.0 horas

 

Presencial

 

Professores do Ensino Básico ( alguns grupos do 2º e 3º ciclos) e Secundário

Sala 118 da Escola Tomás Cabreira.

Trabalhos de investigação recentes demonstraram que o desenho manual de anamorfoses e perspetivas imersivas (esféricas) suportado por tecnologias de fotografia e realidade virtual/aumentada (usando um simples telemóvel ou computador portátil) têm grande valor formativo e são muito aliciantes para ...
Ler mais Ler menos

Ref. 3301 Inscrições abertas até 15-04-2024 INSCREVER-ME

Registo de acreditação: Registo 330 CD nº39 05.02.2014

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 18-04-2024

Fim: 19-04-2024

Regime: Presencial

Local: Sala 118 da Escola Tomás Cabreira.

Formador

Antonio Araujo

Destinatários

Professores do Ensino Básico ( alguns grupos do 2º e 3º ciclos) e Secundário

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do Ensino Básico ( alguns grupos do 2º e 3º ciclos) e Secundário. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do Ensino Básico ( alguns grupos do 2º e 3º ciclos) e Secundário.

Certificado pelo

DGAE - Direção-Geral da Administração Escolar

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Ria Formosa

Enquadramento

Trabalhos de investigação recentes demonstraram que o desenho manual de anamorfoses e perspetivas imersivas (esféricas) suportado por tecnologias de fotografia e realidade virtual/aumentada (usando um simples telemóvel ou computador portátil) têm grande valor formativo e são muito aliciantes para estudantes que estão prestes a dar os primeiros passos no estudo da perspetiva linear e geometria descritiva. O presente módulo pretende apresentar estes novos métodos aos professores de educação visual do 9º ano do ensino básico ou de qualquer ano do ensino secundário. Poderá também ser interessante para professores de matemática.

Objetivos

Formar os professores nos método práticos de criação de anamorfoses e perspetivas curvilíneas/esféricas/imersivas de uma forma que se pode integrar com os programas de educação visual, nomeadamente no estudo da perspetiva e da geometria descritiva.

Conteúdos

1. Como criar ilusões de ótica (anamorfoses). 2. Anamorfoses com fio e ponto fixo. 3. Anamorfoses com geometria descritiva. 4. Perspetivas curvilíneas. 5. Perspetiva cilíndrica 6. Perspetiva equirectangular e visualização em realidade virtual 7. Desenhar ambientes de realidade virtual com lápis e papel.

Metodologias

A oficina será realizada em duas partes: na primeira aprenderemos a fazer anamorfoses (ilusões de ótica). Faremos uma anamorfose de grandes dimensões usando um tripé, um fio, e fita colorida. De seguida realizaremos uma anamorfose semelhante em dimensões menores, utilizando dupla projeção ortográfica (este exercício é uma forma aliciante de introduzir os rudimentos da geometria descritiva). No segundo dia usamos grelhas equirectangulares para fazer desenhos que podem ser convertidos automaticamente em ambientes imersivos (panoramas de realidade virtual).

Avaliação

Questionário de satisfação

Bibliografia

A. Araújo, Topologia, Anamorfoses, e o bestiário das Perspectivas curvilíneas, Convocarte Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, no. 2 (Setembro 2016): 51-69. http://convocarte.belasartes.ulisboa.pt/index.php/category/httpconvocarte-belasartes-ulisboa-ptrevistaconvocarte/ Araújo, A. (2018). Drawing Equirectangular VR Panoramas with Ruler, Compass, and Protractor. Journal Of Science And Technology Of The Arts, 10(1), 15-27. http://dx.doi.org/10.7559/citarj.v10i1.471 Araújo, A.B.: Anamorphosis reformed: from optical illusions to immersive perspectives. In: Sriraman, B. (ed.) Handbook of the Mathematics of the Arts and Sciences, pp. 175–242. Springer, Cham (2021). https://doi.org/10.1007/978-3-319-57072-3_101 Flores, M., Araújo, A.: Applications of anamorphosis and mixed reality in a classroom setting. In: 10th International Conference on Digital and Interactive Arts, pp. 1–10. Association for Computing Machinery, New York (2021). https://doi.org/10.1145/3483529.3483532 Flores, M., Araújo, A.B. (2023). Using Off-the-Shelf AR and VR Software for Teaching Immersive Perspectives to 9th Grade Students. In: Brooks, A.L. (eds) ArtsIT, Interactivity and Game Creation. ArtsIT 2022. Lecture Notes of the Institute for Computer Sciences, Social Informatics and Telecommunications Engineering, vol 479. Springer, Cham. https://doi.org/10.1007/978-3-031-28993-4_5


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 18-04-2024 (Quinta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Presencial
2 19-04-2024 (Sexta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Presencial

INSCREVER-ME
504

MANIFESTA-TE

ACD

 

3.0 horas

 

Presencial

 

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Casa do Jardim da Alameda

Esta formação do Plano Nacional das Artes apresenta um recurso pedagógico para a construção de um Manifesto. Pretende ser uma ferramenta, para mobilizar as escolas e as comunidades, para trabalhar as questões da sustentabilidade, para uma educação para a cidadania. A realização de Manifestos tem o ...
Ler mais Ler menos

Ref. 373T1 Inscrições abertas até 16-04-2024 INSCREVER-ME

Registo de acreditação: Registo 373 CD nº39 05.02.2014

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 19-04-2024

Fim: 19-04-2024

Regime: Presencial

Local: Casa do Jardim da Alameda

Formador

Sara Maria Durães Gartner Velasco

Maria João dos Santos Sampaio e Castro Tudela

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/ PN Artes

Enquadramento

Esta formação do Plano Nacional das Artes apresenta um recurso pedagógico para a construção de um Manifesto. Pretende ser uma ferramenta, para mobilizar as escolas e as comunidades, para trabalhar as questões da sustentabilidade, para uma educação para a cidadania. A realização de Manifestos tem o propósito de capacitar os professores, para que junto dos jovens promovam uma atitude crítica, criativa e cívica. Nas escolas é preciso assumir o compromisso de dar voz às inquietações dos alunos, de atender à urgência da ação pelos desígnios do presente. Aprender a desenvolver projetos dirigidos para a consciência individual e pública, a apresentar e defender ideias, criando espaços de questionamento e liberdade, construindo manifestos que coloquem os jovens como agentes da mudança, pela sustentabilidade e pelo equilíbrio. O Plano Nacional das Artes quer contribuir para este propósito, acreditando que através das culturas e das artes temos um poderoso meio para unir pessoas e contribuir para a mudança — enquanto impulsionadoras de envolvimento e de sentido crítico. Fazer a diferença no modo de agir, criar empatia e sentido crítico, valorizando os processos criativos, contribuindo para o desenvolvimento das competências enunciadas no PASEO, através de um Manifesto — incentivar a participação ativa e tomar consciência da dimensão social dos problemas do presente, para fazer a diferença, para ajudar a criar um mundo melhor e mais justo.

Objetivos

I. Mobilizar as escolas e as comunidades, para trabalhar as questões da sustentabilidade e cidadania; II. Explorar diferentes linguagens expressivas e o desenvolvimento de aprendizagens, mediante processos gráficos e plásticos. III. Promover atitudes críticas, criativas e cívicas; IV. Aprender a desenvolver projetos dirigidos para a consciência individual e pública, a apresentar e defender ideias; V. Desenvolver estratégias pedagógicas para a construção de um Manifesto; VI. Criar espaços de questionamento e liberdade, construindo manifestos que coloquem os jovens como agentes da mudança, pela sustentabilidade e pelo equilíbrio.

Conteúdos

- Manifestos; - Sustentabilidade; - Cidadania cultural; - Consciência individual e pública; - Linguagens expressivas; - Processos gráficos e plásticos.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 19-04-2024 (Sexta-feira) 16:00 - 19:00 3:00 Presencial

INSCREVER-ME
477

MÚSICA EM CONTEXTO ESCOLAR - ESTRATÉGIAS E RECURSOS

Curso

 

25.0 horas

 

Presencial

 

Professores dos Grupos 250, 610 e M01 a M32

A definir

Observando os princípios orientadores e o Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, esta formação, em Música, pretende desenvolver práticas pedagógicas inovadoras que valorizem o papel central da Educação Artística, no contexto escolar. A sensibilidade estética e artística é uma competência ...
Ler mais Ler menos

Ref. 343T1 Inscrições abertas até 29-04-2024 INSCREVER-ME

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-121529/23

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 03-05-2024

Fim: 18-05-2024

Regime: Presencial

Local: A definir

Destinatários

Professores dos Grupos 250, 610 e M01 a M32

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 250, 610 e M01 a M32. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 250, 610 e M01 a M32.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Enquadramento

Observando os princípios orientadores e o Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, esta formação, em Música, pretende desenvolver práticas pedagógicas inovadoras que valorizem o papel central da Educação Artística, no contexto escolar. A sensibilidade estética e artística é uma competência legítima, reconhecida e fundamental na organização curricular e no desenvolvimento pessoal. Por conseguinte, pretende-se a valorização da Educação Artística nas escolas, apresentando, renovando e dinamizando práticas pedagógicas adaptadas às exigências atuais. Para este propósito, este curso apresenta um conjunto de referentes, de conteúdos e de processos criativos, através de atividades específicas, com o objetivo de aumentar as competências profissionais e pessoais, na área da Música. A atualização de metodologias e recursos, numa perspetiva de formação contínua, contribui para a riqueza do próprio curso, através, nomeadamente, da partilha de vivências no contexto real a que a formação se destina.

Objetivos

Analisar, criticamente, as Aprendizagens Essenciais em Educação Musical, no 2.º e 3.º ciclos  Analisar o Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e a sua relação com a Matriz Curricular em Educação Artística,  Constituir um corpus de conhecimento sobre o Desenvolvimento Curricular na área da Música;  Reconhecer a importância do desenvolvimento musical na infância para a adequação das metodologias e estratégias de ensino-aprendizagem em Música;  Valorizar o papel da Educação Artística como forte potenciador do desenvolvimento pleno do sujeito e nas relações com os outros, relacionando a música com as outras áreas do saber.  Desenvolver um conjunto de referentes, através de atividades especificas, que promovam uma pedagogia ativa centrada na criação, na experiência e na exploração do mundo envolvente, bem como na interpretação musical, privilegiando a voz, o corpo e os objetos / instrumentos.  Desenvolver metodologias e estratégias de ensino específicas e inovadoras na área da Música recorrendo a meios, materiais, dispositivos e instrumentos, com diversidade sonora/musical e expressiva.

Conteúdos

 Introdução ao desenvolvimento musical na infância: Elementos musicais.  Timbre, altura, dinâmica, ritmo, forma. Domínios.  Criação - A criatividade e a improvisação em música; improvisação na escala pentatónica  Audição - Escuta musical ativa;  Interpretação – voz, corpo e instrumentos.  O acompanhamento de canções com cordofones (cavaquinhos e ukuleles) – técnicas e acordes.  Contextos Musicais - Música, sociedade, cultura e história;  Construção de recursos musicais com repertório multicultural.  Simbolização/representação musical convencional e não convencional. Enquadramento.  O corpo humano enquanto primeiro (e principal) instrumento de expressão artística em Música;  Música para todos - metodologias ativas e respetivos pedagogos;  A multiplicidade da Música (géneros/estilos), sua relevância e transversalidade com outras áreas do saber.

Metodologias

O curso de formação, com um total de 25 horas presenciais, contará com sessões de carácter teórico-prático, com explicação didático-pedagógica de cada conteúdo, seguindo-se exercícios em pequeno e grande grupo. Ao longo da formação, pretende-se que cada formando construa o seu próprio corpus de recursos, aplicando-a ao seu contexto pessoal, com a seguinte forma:  Partilha, pelos participantes, das suas experiências profissionais, discutindo-se os vários modelos de desenvolvimento curricular em Música (teórico-prática);  Abordagem do desenvolvimento musical na infância com partilha de recursos (teórico-prática);  Partilha das propostas de recursos musicais elaborados pelos formandos (prática);  Autoavaliação do formando - (prática);  Avaliação - com privilégio do diálogo como forma de consciencialização e de mudança do grupo/individuo (prática).

Avaliação

A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua, de acordo com os seguintes critérios:  Participação - 50%  Projeto e reflexão crítica - 50%

Bibliografia

Gordon, E. (2000). Teoria da Aprendizagem Musical: Competências, Conteúdos e Padrões. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.Swanwick, K. (1988) Music, Mind, and Education. London: Routledge.Willems, E. (1970) As Bases Psicológicas da Educação Musical. Fribourg Editions Pro-Musica.Wuytack, J., & Palheiros, G. (1995). Audição Musical Activa. Associação Wuytack de Pedagogia Musical, Porto.PASEO e AE de Educação Musical


Observações

Sexta 3 de maio (4 horas) Sábado 4 de maio (4 horas) Sexta 10 de maio (4 horas) Sábado 11 de maio (4 horas) Sexta 17 de maio (4 horas) Sábado 18 de maio (5 horas)


INSCREVER-ME
517

EDUCAÇÃO INCLUSIVA – ACS, PEI E PIT
Exclusivo para docentes do Agrupamento Pinheiro e Rosa

ACD

 

3.0 horas

 

Presencial

 

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Agrupamento Pinheiro e Rosa

Decreto-Lei n.º 54/2018 de 6 de julho, alterado e republicado na Lei 116/2019 de 13 de setembro
Ler mais Ler menos

Ref. 370T1 Inscrições abertas até 01-05-2024 INSCREVER-ME

Registo de acreditação: Registo 370 CD nº39 05.02.2014

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 08-05-2024

Fim: 15-05-2024

Regime: Presencial

Local: Agrupamento Pinheiro e Rosa

Formador

Hermínia Maria Nunes Santos Martins

Zélia de Jesus Rodrigues Ramos Rosão

Helena Cristina Mendonça Coelho de Sousa

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Ria Formosa

Enquadramento

Decreto-Lei n.º 54/2018 de 6 de julho, alterado e republicado na Lei 116/2019 de 13 de setembro

Objetivos

Capacitar os docentes para a compreensão, planificação e operacionalização das medidas adicionais: b) Adaptações Curriculares Significativas e c) Plano Individual de Transição (PIT) para a vida pós-escolar

Conteúdos

Adaptações Curriculares Significativas (ACS) Programa Educativo Individual (PEI); Plano Individual de Transição (PIT) para a vida pós-escolar; Aprendizagens essenciais; Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória; Relação com a ANQEP e o IEFP.


Observações

Documentos de trabalho: Lei n.º 116/2019 de 13 de setembro; Manual de apoio à prática da Educação Inclusiva; FAQs; Aprendizagens essenciais; Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória.


INSCREVER-ME
527

TEATRO DO OPRIMIDO EM MEIO ESCOLAR

ACD

 

6.0 horas

 

Presencial

 

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

a definir, entre as 17h e as 19h

Da Dissertação apresentada à Universidade Católica Portuguesa para obtenção do grau de mestre em Psicologia por Sara Catarina Almeida Silva retivemos : O teatro do oprimido (TO) tem como princípio fundamental a educação e objetiva contribuir para a transformação pessoal e social dos indivíduos, dando a ...
Ler mais Ler menos

Ref. 3741 Inscrições abertas até 03-05-2024 INSCREVER-ME

Registo de acreditação: Registo 374 CD nº39 05.02.2014

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 08-05-2024

Fim: 10-05-2024

Regime: Presencial

Local: a definir, entre as 17h e as 19h

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Ria Formosa

Enquadramento

Da Dissertação apresentada à Universidade Católica Portuguesa para obtenção do grau de mestre em Psicologia por Sara Catarina Almeida Silva retivemos : O teatro do oprimido (TO) tem como princípio fundamental a educação e objetiva contribuir para a transformação pessoal e social dos indivíduos, dando a conhecer ao oprimido a natureza da sua opressão (e.g., desigualdade social e temas políticos emergentes), bem como incentivando a superação da mesma (Boal, 2013). Os / As participantes são convidados/as a refletir, discutir e desenvolver situações opressoras do seu quotidiano e, por meio dos exercícios teatrais, exploram formas de superar as mesmas. Assim, o TO encoraja ações de empoderamento social dos indivíduos e comunidades, capacitando-os enquanto protagonistas das histórias individuais e coletivas (Alves et al., 2013). Neste sentido, os jogos teatrais propostos por Augusto Boal no teatro do oprimido oferecem um ambiente de liberdade no qual são convidados a explorar as suas potencialidades, expressar os seus sentimentos e emoções, bem como a construir conhecimento de forma coletiva através da reflexão crítica e valorização da autonomia para que, de forma lúdica, possam experimentar todas as formas de comunicação humana (Baraúna, 2013; Boal, 2013). O teatro do oprimido configura-se uma importante ferramenta para o desenvolvimento e fortalecimento da identidade individual, grupal e coletiva (Teixeira, 2008). Entre as várias técnicas do teatro do oprimido, o teatro fórum representa a técnica mais conhecida e praticada a nível mundial (Boal, 2013). Nesta técnica os “espect-atores” (espectadores e atores em simultâneo) são convidados a participar na cena e a atuar teatralmente, procurando soluções e estratégias para a ação encenada, revelando sentimentos, pensamentos, desejos, estratégias e possíveis alternativas para as realidades representadas, marcando o início da transformação social da realidade (Boal, 2013). Um estudo sobre o impacto do TO em jovens numa situação de vulnerabilidade social, demonstrou que esta atividade promoveu: i) o protagonismo social no âmbito comunitário; ii) o diálogo e reflexão coletiva sobre as necessidades e problemas vivenciados; e iii) a expressão e diálogo com a própria família dos jovens, fortalecendo assim a rede de suporte social dos mesmos (Alves et al., 2013; Bhukhanwala, 2014). Dois outros estudos sobre o impacto do TO em contexto de bullying com jovens, também verificaram mudanças (Alencastro et al., 2020; Bhukhanwala, 2014). Foram percecionadas mudanças ao nível da promoção da expressão de conflitos interpessoais preexistentes e elaboração dos mesmos, levando a uma mudança parcial dessa realidade. Também foram percebidos ganhos ao nível da expressão dialógica e corporal dos jovens, da participação ativa e autonomia, bem como da criatividade, pensamento crítico e expressão de sentimentos (Alencastro et al., 2020; Bhukhanwala, 2014). Verificou-se ainda o empoderamento dos jovens enquanto protagonistas das suas ações, a redução da vitimização e do medo de agir contra a opressão, bem como o aumento do autoconhecimento, da empatia pelos pares e conhecimento sobre recursos na comunidade (Alves et al., 2013; Bhukhanwala, 2014).

Objetivos

Pretende capacitar os professores uso do teatro do Oprimido uma vez que as evidências empíricas indicam que os impactos desta ferramenta em meio escolar passam pelo aumento da participação, da autonomia, da criatividade, do pensamento crítico e da capacidade de desempenho e colaboração .

Conteúdos

Conceitos gerais Prática da ferramenta – Teatro do Oprimido em meio escolar Palavras chave: desenvolvimento socioemocional; envolvimento escolar; teatro do oprimido; contexto escolar;



INSCREVER-ME

CENTRO DE FORMAÇÃO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS DA RIA FORMOSA

CCPFC/ENT-AE- 1483/23

VALIDADE: 11.09.2026