OFERTA FORMATIVA

Ref. 100T1 Inscrições Fechadas

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109300/20

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 28-06-2021

Fim: 02-07-2021

Regime: Presencial

Local: ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO LOPES

Formador

Tiago Martins Escudeiro

Joana Isabel da Silva Santos Elias

Destinatários

Professores do 3º Ciclo.Professores do Ensino Secundário.Professores do 2º Ciclo.- grupo 260 e 620

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 260, 620. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 260, 620.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa

Razões

O mar e as atividades náuticas quando desenvolvidas e orientadas por profissionais oferecem às crianças e jovens sensações únicas de superação. O surf e a canoagem são duas modalidades que cada vez mais ganham relevância ao nível dos conteúdos a abordar na disciplina de Educação Física como modalidades alternativas e de exploração da natureza. O Documento Nacional de Estratégia para o Mar, da responsabilidade do Ministério do Mar, preconiza a reaproximação do povo português ao mar e às atividades nele desenvolvidas, sejam elas de carater lúdico, cultural ou económico. Sob este pressuposto, o Ministério da educação através do desporto escolar, criou os Centros de Formação Desportiva das modalidades náuticas, cujo objetivo é a democratização do acesso a este tipo de modalidades desportivas que, de outra forma, estariam vedadas à maior parte da população devido a constrangimentos de enquadramento técnico/pedagógico, financeiros e de locais de prática.

Objetivos

Pretendemos, com esta ação, desenvolver nos participantes uma maior proximidade ao mar e às modalidades de surf e canoagem. Como objetivo secundário desta ação, pretendemos dotar os colegas de métodos, técnicas de ensino, manuseamento e orientação das atividades náuticas para que possam também eles orientar um grupo de alunos neste contexto específico, em atividades de complemento curricular, na lecionação de módulos dos cursos profissionais de técnico de desporto ou no âmbito do desporto escolar.

Conteúdos

1. O centro de formação de canoagem e surf - Apresentação, recursos disponíveis, localização, condicionantes geográficas e meteorológicas, tipo de atividades que se desenvolvem, normas de segurança e plano de emergência. 2. Introdução ao salvamento em meio aquático 3. Introdução à canoagem: Enquadramento e história da modalidade, especificidades da canoagem, nomenclatura das embarcações e das suas partes constituintes, tipos de embarcações para turismo, aprendizagem e competição. A pagaia, o colete, técnicas de embarque e desembarque técnicas básicas de propulsão, retropulsão e apoio. Normas e regras de segurança específicas da modalidade. 4. Introdução ao surf: Enquadramento e história da modalidade, especificidades da modalidade, nomenclatura das pranchas e das suas partes constituintes, tipos de pranchas para turismo, aprendizagem e competição, o fato isotérmico. Técnicas de aproximação ao mar, remada na prancha, o deslize deitado e o deslize em pé, passagem da posição da posição de deitado para a posição de pé, o equilíbrio em pé e as viragens. Normas e regras de segurança específicas da modalidade.

Metodologias

As atividades previstas terão um caráter presencial, em sessões teóricas e práticas num total de 25 horas de duração. As atividades terão um carater predominantemente prático, com 20 horas previstas para esta componente e 5 horas previstas para uma componente teórica (expositiva/demonstrativa) Nas sessões práticas serão utilizadas os materiais próprios e específicos das modalidades. A componente teórica recorrerá a conteúdos multimédia para melhor abordar as temáticas.

Avaliação

Para além do cumprimento das determinações legais, a avaliação dos formandos será formalizada numa escala de 1 a 10 valores de acordo com as cartas circulares 3/2007 e 1/2008 do CCPFC. A avaliação dos formandos centra-se em duas dimensões. A primeira relaciona-se com o percurso e o trabalho dos formandos ao longo do curso de formação, sendo considerado o nível de participação nas sessões e a realização das atividades propostas. A segunda pressupõe a elaboração de um trabalho de reflexão e avaliação dos conhecimentos adquiridos, partindo das reflexões, perspetivas inerentes à execução das atividades teóricas e práticas desenvolvidas nas sessões presenciais. Nesta conformidade, o regime de avaliação dos formandos segue as orientações e critérios do CFAE que preveem 40% para a participação e 60% para o trabalho produzido. A aprovação no curso dependerá da obtenção de classificação igual ou superior a 5 valores e da frequência mínima de 2/3 do total de horas conjuntas da ação.

Bibliografia

Jimenéz, A. & Rodríguez, J. (2005). Piraguismo Recreativo. Editorial Wanceule. Moreira, M. (2009). SURF: Da Ciência à Prática. Edições FMH. http://www.fmh.utl.pt/indices/surfv.pdf Szanto, C. (2010). ICF Coaches Education Programme: canoe sprint coaching manual. Level 2 and 3. https://www.canoeicf.com/sites/default/files/icf_csp_coaches_manual_level_23_.pdf.

Anexo

20210405104510447.pdf

Observações

Em 2017 criámos o Centro de Formação Desportiva de Canoagem e Surf do Agrupamento de Escolas Francisco Fernandes Lopes de Olhão (CFD-AEFFL) reunindo um conjunto de recursos que nos permitem oferecer todas as condições necessárias para a realização de atividades de iniciação/aperfeiçoamento das duas modalidades em meio escolar.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 28-06-2021 (Segunda-feira) 15:30 - 17:30 2:00 Presencial

Ref. 119T1 Inscrições abertas até 22-06-2021

Registo de acreditação: Registo 119 CD nº __________________

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 29-06-2021

Fim: 29-06-2021

Regime: e-learning

Local: plataforma digital

Formador

Ana Cristina Nogueira Tendinha

Destinatários

Professores do 1º Ciclo;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira do grupo 110. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do grupo 110.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/ Agrupamento Paula Nogueira

Razões

Esta ACD resulta da necessidade de continuar a promover a diversificação da oferta formativa, proporcionando oportunidades de transmissão de conhecimentos, partilha e reflexão entre docentes, relativamente às Aprendizagens Essenciais da disciplina de Português, nomeadamente, no que concerne ao domínio da Gramática. Objetivando a promoção de práticas apelativas, diversificadas e cientificamente corretas, pretende-se contextualizar a anualização dos conteúdos, esclarecer e atualizar conhecimentos sobre conceitos gramaticais e, simultaneamente, dotar os docentes de conhecimentos digitais que permitam promover o desenvolvimento de competências de forma estimulante e centrada nos alunos.

Conteúdos

As Aprendizagens Essenciais e a anualização dos conteúdos; A clarificação de conceitos gramaticais; A articulação do ensino da gramática com os restantes domínios curriculares; O ensino da gramática com recurso a APP’s.

Anexo

ACD-PROGRAMA_TEMATICO_GRAMATICA_ANA_TENDINHA.docx

Observações

Exclusiva a professores do Agrupamento Paula Nogueira


INSCREVER-ME

Ref. 111T1 Inscrições abertas até 29-06-2021

Registo de acreditação: Registo 11 CD nº

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 06-07-2021

Fim: 06-07-2021

Regime: Presencial

Local: Casa de Juventude de Olhão

Formador

Vera Marques

Destinatários

Educadores de Infância; Professores do 1º Ciclo;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 100, 110. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 100, 110.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/Município de Olhão; Aldeia – Acção, Liberdade, Desenvolvimento, Educação, Investigação, Ambiente (RIAS)

Razões

Esta ação surge da necessidade de se sensibilizar professores, educadores e profissionais que trabalham diretamente com crianças para a temática, no sentido de promover a disseminação da informação junto dos seus alunos.

Conteúdos

O papel dos oceanos no planeta O que é um ecossistema Ecossistema da Ria Formosa Fauna e flora da região Exemplos de atividades práticas a realizar com crianças

Anexo

2021_07_06_acd-programa_temático_a_influência_do_mar_nos_ecossistemas.docx

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 06-07-2021 (Terça-feira) 16:30 - 19:30 3:00 Presencial

INSCREVER-ME

Ref. 113T1 Inscrições abertas até 08-07-2021

Registo de acreditação: DGAE/644/2021

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 15.0 horas

Início: 12-07-2021

Fim: 14-07-2021

Regime: Presencial

Local: Presencial

Destinatários

Pessoal não Docente

Acreditado pelo

DGAE - Direção-Geral da Administração Escolar

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/Agrupamento de Escolas Paula Nogueira

Razões

Julgamos que esta ação se enquadra no plano de atividades do Centro de Formação, uma vez que a a apropriação deste suporte normativo (Decreto-Lei 54/2018), por parte do pessoal não docente se carece da maior importância para o seu verdadeiro envolvimento como agentes educativos, promotores da inclusão. Por outro lado, parece-nos que este tipo de ações para este público alvo é inovador, uma vez que ainda não foi realizada nenhuma ação relacionada com este tema.

Objetivos

Informar e esclarecer acerca do conceito e da sua aplicação no contexto escolar; Elucidar acerca do papel esperado, tendo em conta o normativo legal subjacente ás práticas inclusivas; Sugerir estratégias a adotar no desempenho das suas funções, para que sejam agentes de inclusão.


INSCREVER-ME

Ref. 120T1 Inscrições abertas até 09-07-2021

Registo de acreditação: Registo 120 CD nº _____________________

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 14-07-2021

Fim: 15-07-2021

Regime: e-learning

Local: ZOOM

Formador

Mafalda Cristina Gomes Sousa Guerreiro

Destinatários

Professores de todos os grupos de recrutamento;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/ Agrupamento de Escolas Afonso III

Razões

No atual contexto de implementação do projeto do “Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA)” no Agrupamento urge encontrar medidas de atuação no âmbito do ensino-aprendizagem-avaliação promotoras da recuperação das aprendizagens estruturantes e da melhoria dos resultados escolares no agrupamento. Neste sentido, a avaliação como resposta às necessidades educativas atuais é um motor de mudança de práticas pedagógicas diferenciadas e adaptadas a contextos de aprendizagem.

Objetivos

Natureza e fundamentos da avaliação (Projeto MAIA) • Processos de avaliação pedagógica • Processos de recolha de informação • Critérios de avaliação e descritores/níveis de desempenho Recuperação das aprendizagens estruturantes • Metodologias ativas • Articulação vertical

Anexo

ACD_-_Programa_temático.docx

Observações

Exclusivo ao Agrupamento D. Afonso III Calendário: - dia 14 julho - 17:30-19:30 - dia 15 de julho - 9:00 - 13:00


INSCREVER-ME

Ref. 109T1 Inscrições abertas até 26-06-2021

Registo de acreditação: Registo 109 CD nº

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 4.0 horas

Início: 19-07-2021

Fim: 19-07-2021

Regime: Presencial

Local: Escola EB1 nº 4 de Faro

Formador

Anabela Brás de Oliveira Estudante

Maria João de Magalhães Seruca de Oliveira

Destinatários

Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 230, 910, 920. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 110, 230, 910, 920.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/Agrupamanto João de Deus

Razões

Nas linhas orientadoras para a Programação e Robótica no Ensino Básico é destacado que “Com a atual presença do digital na sociedade, importa tornar os cidadãos capazes de lidar e compreender o mundo digital, não se configurando apenas como consumidores passivos. A compreensão dos conceitos relacionados com a computação contribui, deste modo, para um melhor conhecimento do funcionamento da tecnologia, sistemas de informação e como detetar e resolver problemas” (p.8). Com esta ACD pretende-se capacitar os docentes do 1º ciclo e de matemática do 2º ciclo para a realização de atividades de computação em sala de aula. No decorrer desta ACD será desvendada uma “Mensagem secreta” (introdução à numeração binária), vivida uma aventura de programação à volta do mundo em “Run Marco” (programação por blocos, relações espaciais), explorada a magia e a beleza do gelo em “Programe com Anna e Elsa” e apresentada a iniciativa “Hora do código”.

Conteúdos

Sistema de numeração binário, números e operações, comunicação matemática, geometria e medida, experimentação e criação; identificar, interpretar e descrever relações espaciais, situando-se no espaço em relação aos outros e aos objetos; programação por blocos.

Anexo

acd-programa_tematico_pensamento_computacional_110_230.docx

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 19-07-2021 (Segunda-feira) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial

INSCREVER-ME

Ref. 108T1 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-108843/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 14-06-2021

Fim: 05-07-2021

Regime: Presencial

Local: Presencial

Formador

Mafalda Cristina Gomes Sousa Guerreiro

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico, Secundário e de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

CENTRO DE FORMAÇÃO RIA FORMOSA/ AGRUPAMENTO PAULA NOGUEIRA

Razões

Os critérios e os descritores dos níveis de desempenho são bastante relevantes para que os alunos compreendam o que é expectável que aprendam e o que é tido em conta na avaliação formativa do seu trabalho. É a partir dos critérios e dos descritores dos níveis de desempenho que se pode distribuir feedback de elevada qualidade a todos os alunos, no âmbito da avaliação de para as aprendizagens. Os critérios e as descrições de desempenho são afirmações que se produzem a partir de elementos curriculares indispensáveis - Aprendizagens Essenciais, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória - e que identificam o que se consideram ser as características ou os atributos que o desempenho dos alunos deve ter quando estão a trabalhar numa dada tarefa de avaliação. Assim, os critérios definem algo que é desejável que todos os alunos saibam ou sejam capazes de fazer, isto é especificações muito breves, claras e exequíveis. No mesmo sentido, os descritores de desempenho devem ser definidos de forma muito simples, objetiva e entendidos de forma igual por todos, sem correspondência direta com a avaliação quantitativa sumativa

Objetivos

Que os professores sejam capazes de : - Analisar o que se espera que os alunos devem saber e ser capazes de fazer tendo por referência o currículo e todos os seus elementos ou componentes. - Definir critérios (características fundamentais) a partir das aprendizagens a realizar e associar descritores de desempenho simples e distintos. - Definir níveis da qualidade do desempenho dos alunos - Selecionar as tarefas ou propostas de trabalho e os procedimentos de recolha de informação que permitam avaliar tão rigorosamente quanto possível o que os alunos devem saber e ser capazes de fazer através dessas tarefas. - Encontrar formas de moderação/uniformização entre os docentes de forma a ser claro, simples e objetivo para todos o significado de cada critério e dos respetivos descritores de desempenho. - Informar antecipadamente os alunos de forma muito clara, através de exemplos, como são avaliados os seus desempenhos nas tarefas que lhes vão sendo propostas.

Conteúdos

1. Conceitos: critérios e descritores de desempenho 2. Relação critérios / descritores de desempenho 3. Procedimentos em avaliação pedagógica – diferenciação de processos avaliativos e adequação de critérios e descritores de desempenhos às atividades/tarefas propostas

Metodologias

Trabalho de construção, enumeração e discussão de conceitos relevantes sobre critérios e descritores de desempenho Reflexão sobre a importância critérios e descritores de desempenho para o desenvolvimento de práticas de avaliação pedagógica que contribuam para melhorar as aprendizagens dos alunos no âmbito da avaliação formativa e sumativa. Construção de critérios e descritores em função de situações de aprendizagem em sala de aula direcionados para práticas de avaliação pedagógica orientadas para o feedback e a implementação de metodologias inovadoras de ensino, aprendizagem e a avaliação. Estas sessões serão realizadas em contexto real de aprendizagem com o desenvolvimento e a aplicação de atividades/ tarefas de operacionalização com construção de materiais elaborados numa lógica de investigação-ação.

Avaliação

Participação: (30%) – Nas tarefas de realização presencial conjunta Produtividade: (70%) – Qualidade dos materiais concretos para intervenção; - Aplicabilidade dos mesmos nas práticas/aplicação de novos meios processuais ou técnicos/produção em contexto; - Reflexão crítica escrita individual

Bibliografia

Brookhart, S. (2013). How to create and use rubrics for formative assessment and grading. Alexandria, VA: ASCD. Fernandes, D., Borralho, A., Vale, I., Gaspar, A. & Dias, R. (2011). Ensino, avaliação e participação dos alunos em contextos de experimentação e generalização do novo programa de matemática do ensino básico. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. [http://hdl.handle.net/10451/10312] Fernandes, D. (2011). Articulação da aprendizagem, da avaliação e do ensino: Questões teóricas, práticas e metodológicas. In J. M. DeKetele e M. P. Alves (Orgs.), Do currículo à avaliação, da avaliação ao currículo, pp. 131-142. Porto: Porto Editora. [http://repositorio.ul.pt/handle/10451/6988] Ferraz, M. J., Carvalho, A., Dantas, C., Cavaco, H., Barbosa, J. Tourais, L. e Neves, N. (1994). Avaliação Criterial e avaliação normativa. In Domingos Fernandes (Coord.), Pensar avaliação, melhorar a aprendizagem (Folha A/4). Lisboa: IIE. [Disponível no sítio da DGE] Neves, A. e Ferreira, A. (2015). Avaliar é preciso? Guia prático de avaliação para professores e formadores. Lisboa: Guerra & Paz

Observações

INSCRIÇÕES EXCLUSIVAS A DOCENTES DO AGRUPAMENTO PAULA NOGUEIRA

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 14-06-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 19:30 2:00 Presencial
2 30-06-2021 (Quarta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Presencial
3 07-07-2021 (Quarta-feira) 15:30 - 19:30 4:00 Presencial
4 15-07-2021 (Quinta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Presencial

Ref. 99T1 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-111542/21

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 07-06-2021

Fim: 01-07-2021

Regime: e-learning

Local: on line

Formador

Augusto Martins Cerdeira

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa

Razões

Esta formação surge com o sentido de dar resposta e auxílio às dúvidas na criação/funções e raio de ação da Equipa Multidisciplinar de Apoio à Educação Inclusiva, fundamentada no decreto lei 54/2018 da Educação Inclusiva.

Objetivos

Capacitar os formandos para o acompanhamento e monitorização das medidas de apoio à Inclusão e à Aprendizagem. Fomentar a partilha de práticas pedagógicoas inclusivas de toda a comunidade educativa. Compreender e discutir o potencial de cada medida de apoio e suporte à inclusão e à aprendizagem. Adquirir conhecimento sobre algumas estratégias de intervenção no ensino, as quais poderão ser aplicadas consoante o perfil específico da criança a quem se destinam, nomeadamente das áreas onde se encontram as suas dificuldades Compreender como avaliar cada aluno e como atribuir as medidas no âmbito do processo de ensino aprendizagem; Sensibilizar a comunidade educativa para a educação inclusiva;

Conteúdos

Enquadramento teórico - Suporte Legal: - Decreto-lei nº 54 de 2018, nº 55 de 2018 e a Portaria 223A de 2018 • Recursos organizacionais em Educação inclusiva: - Equipa Multidisciplinar de Apoio à Educação Inclusiva (EMAEI): - Organização - Competências e eixos de intervenção - Medidas de suporte à aprendizagem e à inclusão - Determinação de necessidades de suportes à aprendizagem e à inclusão • O Processo • A monitorização • Acompanhamento - Recursos específicos de apoio à aprendizagem e à inclusão. - O Docente de Educação Especial - Os Assistentes Operacionais; - Outros Técnicos especializados. - Centros de Apoio à Aprendizagem (CAA): - recursos humanos, recursos materiais - funcionamento • competências • eixos de intervenção • Elaboração de um projeto de Intervenção - Formação dos grupos de trabalho e delineamento do plano de ação – Trabalho colaborativo; - Construção/elaboração do projeto para a operacionalização das funções e competências da EMAEI na estrutura do Agrupamento de Escolas; • Apresentação e reflexão dos trabalhos produzidos

Avaliação

Enquadramento teórico - Suporte Legal: - Decreto-lei nº 54 de 2018, nº 55 de 2018 e a Portaria 223A de 2018 • Recursos organizacionais em Educação inclusiva: - Equipa Multidisciplinar de Apoio à Educação Inclusiva (EMAEI): - Organização - Competências e eixos de intervenção - Medidas de suporte à aprendizagem e à inclusão - Determinação de necessidades de suportes à aprendizagem e à inclusão • O Processo • A monitorização • Acompanhamento - Recursos específicos de apoio à aprendizagem e à inclusão. - O Docente de Educação Especial - Os Assistentes Operacionais; - Outros Técnicos especializados. - Centros de Apoio à Aprendizagem (CAA): - recursos humanos, recursos materiais - funcionamento • competências • eixos de intervenção • Elaboração de um projeto de Intervenção - Formação dos grupos de trabalho e delineamento do plano de ação – Trabalho colaborativo; - Construção/elaboração do projeto para a operacionalização das funções e competências da EMAEI na estrutura do Agrupamento de Escolas; • Apresentação e reflexão dos trabalhos produzidos

Bibliografia

Decreto-Lei nº54/2018, de 6 de julho. Aprendizagens Essenciais – Ensino Básico (https://www.dge.mec.pt/aprendizagens-essenciais-ensino-basico) Cosme, Ariana, & Trindade, Rui (2013). Organização e gestão do trabalho pedagógico: Perspectivas, questões, desafios e respostas. Porto: Livpsic Fernandes, D. (2014). Avaliação das aprendizagens e políticas educativas: o difícil percurso da inclusão e da melhoria. In M. L. Rodrigues (Org.), Quarenta anos de políticas de educação em Portugal: A construção do sistema democrático de ensino (Volume I, pp. 231-268). Coimbra: Almedina. Disponível em: http://hdl.handle.net/10451/16010 UNESCO. (2015). Embracing Diversity: Toolkit for creating inclusive, learning-friendly environments. Disponível em http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001375/ 137522e.pdf

Anexo

20210405105155205.pdf

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 07-06-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 21:00 3:30 Online síncrona
2 14-06-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
3 17-06-2021 (Quinta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
4 21-06-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
5 24-06-2021 (Quinta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
6 28-06-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
7 01-07-2021 (Quinta-feira) 17:30 - 21:00 3:30 Online síncrona
8 05-07-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona

Ref. 115T1 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-111835/21

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 25-05-2021

Fim: 13-07-2021

Regime: e-learning

Local: ZOOM

Formador

Anabela Gonçalves de Moura Baptista

Ana Marta Esteves Branco da Silva Farrajota

Paula Maria Osório de Araújo Correia

Destinatários

PROFESSORES BIBLIOTECÁRIOS

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente não ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. De acordo com o artigo 15º da Portaria n.º 192-A/2015, de 29 de junho, esta ação de formação releva para a progressão da carreira dos professores bibliotecários, incluindo-se na dimensão científica e pedagógica.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/RBE

Razões

O desenvolvimento da competência digital das organizações educativas toma atualmente uma dimensão fundamental na qualidade do trabalho de ensinoe aprendizagem realizado nas escolas. Existem atualmente referenciais europeus que enquadram o desenvolvimento digital das escolas: o DigCompEdu enquadra a necessária competência digital dos docentes; o DigCompOrg enquadra as Organizações Educativas no desenvolvimento da sua competência digital. Através destes referenciais e numa perspetiva sistémica, o propósito do curso é o de apoiar os professores bibliotecários, a participarem no desenvolvimento digital das bibliotecas e da organização escolar e na criação de Planos de Ação para o Desenvolvimento Digital das Escolas (PADDE).

Objetivos

- Estimular a reflexão, partilha e utilização crítica (seleção, criação e gestão) das tecnologias em contexto educativo; - Promover o desenvolvimento e aprofundamento das CD dos PB, nas áreas da sua intervenção, tendo em vista os domínios dos referenciais DigCompEdu e DigcompOrg; - Capacitar os PB para promoverem e participarem numa cultura de colaboração e na definição de políticas de desenvolvimento digital da escola; - Capacitar os PB para a implementação de atividades com tecnologias digitais, que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD da comunidade escolar; - Capacitar os PB para desenvolverem digitalmente a biblioteca, nas suas várias áreas de intervenção.

Conteúdos

- Documentos enquadradores das políticas educativas atuais A competência digital de uma organização educativa e processos de mudança para a melhoria da qualidade do trabalho; Envolvimento profissional: processos de liderança na era digital e desenvolvimento profissional dos professores; Inovação pedagógica nas organizações educativas com o digital; Estratégias de diagnóstico e de reflexão nas organizações educativas para a tomada de decisão: - DigCompEdu e Check-In 7 - DigCompOrg e SELFIE. - Transição Digital e o papel das bibliotecas escolares (BE): O papel das BE no contexto do desenvolvimento digital; Biblioteca híbrida do ponto de vista da concepção e dos serviços. - Concepção de Plano de Ação de Desenvolvimento Digital (PADD): O papel das bibliotecas no PADD: conceitos, metodologias de desenvolvimento, implementação, monitorização, avaliação. Dimensão tecnológica Dimensão pedagógica: Recursos digitais Criação e gestão de coleções digitais Ensino e aprendizagem Práticas de avaliação Promoção da competência digital dos alunos O referencial Aprender com a BE – desenvolvimento em contexto da literacias da leitura, da informação, dos media, bem como das competências digitais; Cidadania digital. Dimensão organizacional: Envolvimento e desenvolvimento profissional contínuo Liderança - Avaliação final

Metodologias

As sessões destinam-se à exploração e reflexão sobre os documentos enquadradores das políticas educativas atuais e à definição do papel das bibliotecas escolares no contexto do desenvolvimento digital. Passo a passo, serão abordadas as diferentes áreas do Plano de Desenvolvimento Digital das Escolas e os contributos das bibliotecas, quer num âmbito global, quer nas áreas específicas da sua ação. As atividades a realizar pelos formandos, partem do diagnóstico da situação das bibliotecas para o desenho de ações a implementar no âmbito do desenvolvimento digital da biblioteca e dos seus contributos para a construção e implementação do PADD, tendo em consideração as orientações gerais do Ministério da Educação e as orientações específicas da Rede de Bibliotecas Escolares.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em:https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/Open_book_of_Innovational_Education.pdf Comissão Europeia (2015). Promoting Effective Digital-Age Learning: A European Framework for Digitally-Competent Educational Organisations, disponível em https://ec.europa.eu/jrc/en/publication/eur-scientific-and-technical-research-reports/promoting-effective-digital-age-learning-european-framework-digitally-competent-educational Ministério da Educação. (2017). Aprender com a biblioteca escolar. Referencial de aprendizagens associadas ao trabalho das bibliotecas escolares na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário. RBE. Disponível em http://www.rbe.mec.pt/np4/referencial_2017.html

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 25-05-2021 (Terça-feira) 14:00 - 16:00 2:00 Online síncrona
2 01-06-2021 (Terça-feira) 14:00 - 18:00 4:00 Online síncrona
3 08-06-2021 (Terça-feira) 14:00 - 18:00 4:00 Online assíncrona
4 15-06-2021 (Terça-feira) 14:00 - 17:00 3:00 Online assíncrona
5 22-06-2021 (Terça-feira) 14:00 - 17:00 3:00 Online assíncrona
6 29-06-2021 (Terça-feira) 14:00 - 17:00 3:00 Online assíncrona
7 06-07-2021 (Terça-feira) 14:00 - 17:00 3:00 Online assíncrona
8 13-07-2021 (Terça-feira) 14:00 - 18:00 4:00 Online síncrona

Ref. 115T2 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-111835/21

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 25-05-2021

Fim: 13-07-2021

Regime: e-learning

Local: MEET

Formador

Anabela Gonçalves de Moura Baptista

Ana Marta Esteves Branco da Silva Farrajota

Paula Maria Osório de Araújo Correia

Destinatários

Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente não ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. De acordo com o artigo 15º da Portaria n.º 192-A/2015, de 29 de junho, esta ação de formação releva para a progressão da carreira dos professores bibliotecários, incluindo-se na dimensão científica e pedagógica.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/RBE

Razões

O desenvolvimento da competência digital das organizações educativas toma atualmente uma dimensão fundamental na qualidade do trabalho de ensinoe aprendizagem realizado nas escolas. Existem atualmente referenciais europeus que enquadram o desenvolvimento digital das escolas: o DigCompEdu enquadra a necessária competência digital dos docentes; o DigCompOrg enquadra as Organizações Educativas no desenvolvimento da sua competência digital. Através destes referenciais e numa perspetiva sistémica, o propósito do curso é o de apoiar os professores bibliotecários, a participarem no desenvolvimento digital das bibliotecas e da organização escolar e na criação de Planos de Ação para o Desenvolvimento Digital das Escolas (PADDE).

Objetivos

- Estimular a reflexão, partilha e utilização crítica (seleção, criação e gestão) das tecnologias em contexto educativo; - Promover o desenvolvimento e aprofundamento das CD dos PB, nas áreas da sua intervenção, tendo em vista os domínios dos referenciais DigCompEdu e DigcompOrg; - Capacitar os PB para promoverem e participarem numa cultura de colaboração e na definição de políticas de desenvolvimento digital da escola; - Capacitar os PB para a implementação de atividades com tecnologias digitais, que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD da comunidade escolar; - Capacitar os PB para desenvolverem digitalmente a biblioteca, nas suas várias áreas de intervenção.

Conteúdos

- Documentos enquadradores das políticas educativas atuais A competência digital de uma organização educativa e processos de mudança para a melhoria da qualidade do trabalho; Envolvimento profissional: processos de liderança na era digital e desenvolvimento profissional dos professores; Inovação pedagógica nas organizações educativas com o digital; Estratégias de diagnóstico e de reflexão nas organizações educativas para a tomada de decisão: - DigCompEdu e Check-In 7 - DigCompOrg e SELFIE. - Transição Digital e o papel das bibliotecas escolares (BE): O papel das BE no contexto do desenvolvimento digital; Biblioteca híbrida do ponto de vista da concepção e dos serviços. - Concepção de Plano de Ação de Desenvolvimento Digital (PADD): O papel das bibliotecas no PADD: conceitos, metodologias de desenvolvimento, implementação, monitorização, avaliação. Dimensão tecnológica Dimensão pedagógica: Recursos digitais Criação e gestão de coleções digitais Ensino e aprendizagem Práticas de avaliação Promoção da competência digital dos alunos O referencial Aprender com a BE – desenvolvimento em contexto da literacias da leitura, da informação, dos media, bem como das competências digitais; Cidadania digital. Dimensão organizacional: Envolvimento e desenvolvimento profissional contínuo Liderança - Avaliação final

Metodologias

As sessões destinam-se à exploração e reflexão sobre os documentos enquadradores das políticas educativas atuais e à definição do papel das bibliotecas escolares no contexto do desenvolvimento digital. Passo a passo, serão abordadas as diferentes áreas do Plano de Desenvolvimento Digital das Escolas e os contributos das bibliotecas, quer num âmbito global, quer nas áreas específicas da sua ação. As atividades a realizar pelos formandos, partem do diagnóstico da situação das bibliotecas para o desenho de ações a implementar no âmbito do desenvolvimento digital da biblioteca e dos seus contributos para a construção e implementação do PADD, tendo em consideração as orientações gerais do Ministério da Educação e as orientações específicas da Rede de Bibliotecas Escolares.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em:https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/Open_book_of_Innovational_Education.pdf Comissão Europeia (2015). Promoting Effective Digital-Age Learning: A European Framework for Digitally-Competent Educational Organisations, disponível em https://ec.europa.eu/jrc/en/publication/eur-scientific-and-technical-research-reports/promoting-effective-digital-age-learning-european-framework-digitally-competent-educational Ministério da Educação. (2017). Aprender com a biblioteca escolar. Referencial de aprendizagens associadas ao trabalho das bibliotecas escolares na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário. RBE. Disponível em http://www.rbe.mec.pt/np4/referencial_2017.html

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 25-05-2021 (Terça-feira) 10:00 - 12:00 2:00 Online síncrona
2 01-06-2021 (Terça-feira) 09:00 - 13:00 4:00 Online assíncrona
3 08-06-2021 (Terça-feira) 10:00 - 13:00 3:00 Online assíncrona
4 15-06-2021 (Terça-feira) 10:00 - 13:00 3:00 Online assíncrona
5 22-06-2021 (Terça-feira) 10:00 - 13:00 3:00 Online assíncrona
6 29-06-2021 (Terça-feira) 10:00 - 13:00 3:00 Online assíncrona
7 06-07-2021 (Terça-feira) 09:00 - 13:00 4:00 Online assíncrona
8 13-07-2021 (Terça-feira) 10:00 - 13:00 3:00 Online síncrona

Ref. 98T1 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109037/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 10-05-2021

Fim: 30-06-2021

Regime: Presencial

Local: Presencial

Formador

Maria João de Magalhães Seruca de Oliveira

Destinatários

Professores do 3º Ciclo; Professores do Ensino Secundário;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa

Razões

A necessidade de isolamento imposta pela pandemia de Covid-19 determinou o encerramento temporário das escolas e levou a que, num breve período de tempo, se convertessem as suas modalidades de ensino presenciais em modalidades a distância, na maioria dos casos recorrendo à internet e às plataformas online. Para muitos docentes, esta transição apresenta um conjunto de dificuldades e de obstáculos, que derivam não só da falta de competências técnicas na utilização de ferramentas e de plataformas online de ensino aprendizagem, como do desconhecimento das especificidades pedagógicas próprias de um sistema de ensino a distância (E@D). A emergência de adoção de recursos digitais que permitam o ensino e a aprendizagem à distância, impôs desafios às escolas e obrigou os seus agentes educativos a encontrar alternativas, sob algumas orientações da tutela, mas com ampla liberdade de organização e adoção de recursos, quer a nível coletivo, pelos agrupamentos de escolas, quer a nível individual, por cada docente. A ação ora proposta pretende, por um lado, apresentar aos docentes as diferentes etapas de planificação e de seleção dos recursos inerentes ao processo de organização de um sistema E@D mediado por tecnologias; por outro, apresentar algumas ferramentas online (de comunicação docente/aluno/famílias, de produção de recursos de ensino-aprendizagem para ambientes online, de avaliação dos alunos nesse contexto e de plataformas de gestão do processo de ensino-aprendizagem) e familiarizar os formandos no uso dessas ferramentas, de modo a que, ultrapassados os confrangimentos impostos ao ensino presencial, com o encerramento das escolas, pelo COVID-19, a articulação entre os dois sistemas, presencial e a distância, seja garantida.

Objetivos

• Identificar modalidades E@D mediadas por tecnologias e suas vantagens e desvantagens. • Reconhecer as etapas de planificação e os recursos inerentes ao processo de organização de um sistema E@D mediado por tecnologias. • Promover práticas de trabalho colaborativo e cooperativo na produção de recursos de ensino-aprendizagem para ambientes online. • Identificar os tipos de comunicação online e conhecer as características de cada um deles. • Elaborar recursos educativos em/para plataformas online de ensino/aprendizagem orientados para o progresso dos alunos; • Suportar a conceção de recursos educativos na avaliação formativa dos percursos de aprendizagem. • Permitir a troca de materiais e experiências, o esclarecimento de dúvidas e a geração de ideias e projetos de natureza pedagógico didática. • Discutir as estratégias e metodologias a utilizar em contexto de E@D e presencial; • Planificar as atividades formativas em todas as etapas inerentes ao E@D mediado por tecnologia, incluindo o acompanhamento, a tutoria e avaliação do processo. • Utilizar plataformas E@D enquanto mediador na gestão dos recursos e atividades de um grupo disciplinar e/ou de uma turma.

Conteúdos

A componente presencial da ação estrutura-se em 3 momentos: 1.º Momento (7 h) Numa primeira fase discutir-se-ão os desafios e problemas levantados no E@D e a diversidade de soluções encontradas por cada uma das escolas dos formandos. Através dos seus contributos e das boas práticas internacionais pretende-se discutir e partilhar essas práticas na adaptação ocorrida na organização das escolas, no trabalho de professores e alunos e debater o papel das estruturas intermédias na mediação e coordenação do teletrabalho. Seguir-se-á a apresentação das plataformas integradas de E@D de referência, sendo exploradas as duas mais utilizadas nas escolas dos formandos, de modo a dotá-los de competências para a sua utilização, com o objetivo de facilitar a sua manipulação, promover a autonomia e confiança na sua utilização, permitir a sua personalização, a seleção criteriosa e exploração de novas aplicações. 2.º Momento (8 h online síncronas + 6 h) Nas cinco sessões seguintes os formandos terão a oportunidade de conhecer algumas aplicações para utilização no ensino. Serão apresentadas ferramentas que poderão ser utilizadas desde o ensino básico até ao secundário, todas elas com enormes potencialidades de utilização. Em cada uma destas sessões os professores exploram e testam as aplicações apresentadas e constroem planos de aulas em que estas sejam utilizadas e/ou criam materiais para uso escolar. 3.º momento (4 h) As duas sessões finais, com a duração de 2 horas cada, serão utilizadas para que cada um dos formandos apresente os resultados e evidências recolhidas durante a aplicação experimental das ferramentas, em contexto de sala de aula ou na modalidade de E@D e se debatam abordagens estratégicas, problemas encontrados e sua solução. As 25 h presenciais serão assim distribuídas: 1. Organização do E@D a nível escolar e ao nível da turma (painel, 1h). 2. E@D, modalidades e mediação tecnológica (prática, 3 h): 2.1. Plataformas de E@D (LMS) e boas práticas de utilização; 2.2. Organização de recursos e atividades síncronas e assíncronas; 2.3. Acesso a repositórios de recursos, partilha, publicação e direitos de autor; 2.4. A mediação do teletrabalho nas LMS: o papel das estruturas intermédias. 3. A utilização de recursos e tecnologias digitais em sala de aula e à distância: os exemplos de Portugal e outros países europeus (painel, 1 h). 4. Conceitos e procedimentos essenciais na utilização de dispositivos móveis (teórico-prática, 2 h): 4.1. Características e potencialidades dos dispositivos móveis para o ensino; 4.2. Seleção e avaliação de aplicações e recursos digitais para o ensino e para a aprendizagem. 5. Utilização de aplicações em sala de aula e à distância (prática - 8 h online síncronas + 3 h): 5.1. Aplicações para enriquecimento de apresentações, criação e edição de vídeo e exploração de conteúdos; 5.2. Aplicações para a resolução de exercícios, simulações e atividades lúdicas: atividades colaborativas e competitivas na ludificação da aprendizagem; 5.3. Aplicações para atividades de exploração no exterior; 5.4 Aplicações para monitorização e avaliação das aprendizagens; 5.5. Aplicações para a aprendizagem em disciplinas específicas; 5.6. Aplicações de videoconferência: o papel das sessões síncronas no ensino e na aprendizagem à distância. 6. Apresentação de ferramentas de avaliação por videoconferência. Produção de um recurso de avaliação e sua divulgação no fórum de discussão. (3h) 7. Avaliação dos formandos com apresentação e discussão dos resultados obtidos (painel, 4 h).

Metodologias

A ação desenvolver-se em modalidade de b-learning, com 8 horas síncronas a distância. O trabalho a realizar será mediado através do Moodle, o LMS mais utilizado nas escolas portuguesas, que servirá de suporte a um centro virtual de apoio à comunidade de prática (local de comunicação e apoio e colaboração entre todos os participantes na formação). Neste âmbito, os formandos desenvolverão trabalho colaborativo e cooperativo, com o devido enquadramento teórico, em torno da construção de projetos e de materiais para a respetiva implementação em contexto real de aprendizagem, assim como a reflexão crítica, a par e passo, sobre os resultados obtidos e as mudanças que deverão ser adotadas. Estas sessões, que no seu conjunto contabilizam 25h, serão realizadas em contexto real de aprendizagem com o desenvolvimento e a aplicação dos projetos pedagógicos e didáticos. Estas sessões centrar-se-ão na: - Aplicação prática de recursos digitais em contexto de sala de aula e/ou na modalidade de E@D e para gestão de uma turma; - Análise reflexiva dos resultados.

Avaliação

A avaliação será contínua e formativa. A classificação final a atribuir aos formandos resultará dos seguintes parâmetros e critérios de classificação: 1. participação (20%); 2. avaliação das tarefas desenvolvidas durante as sessões (40%); 3. planificação de aulas e construção de recursos para a utilização nessas aulas (20%); 4. apresentação de evidências da utilização dos recursos produzidos (20%). Os trabalhos serão submetidos pelos formandos, na disciplina criada na plataforma Moodle do centro de formação. No final, todos os trabalhos serão reunidos em suporte digital permanente, que será incluído no dossiê da Oficina de Formação. Os formandos serão classificados numa escala de 1 a 10 valores: insuficiente (1 a 4,9 valores), regular (5 a 6,4 valores), bom (6,5 a 7,9 valores), muito bom (8 a 8,9 valores), excelente (9 a 10 valores). A avaliação dos formandos basear-se-á na análise, quantitativa e qualitativa, da participação nas sessões, das tarefas diversas realizadas ao longo das mesmas e dos trabalhos realizados no decurso da ação, de acordo com o Regime Jurídico da Formação Contínua e a Carta Circular n.º 3/2007 do CCFC.

Bibliografia

Carvalho, A. (2015). Apps para dispositivos móveis: manual para professores, formadores e bibliotecários. Lisboa. Ministério da Educação, Direção-Geral da Educação; Clark, R., Mayer R. (2016) e-Learning and the Science of Instruction: Proven Guidelines for Consumers and Designers of Multimedia Learning. Wiley; KENSKI, Vani Moreira (Org.). (2015) Design instrucional para cursos on-line. São Paulo: Senac-SP- Santos, M., Pedro, N., Soares, F. & Matos, J. F. (2008). Guião de Utilização de plataformas de aprendizagem em ambientes escolares: Orientações para a dinamização de áreas de trabalho com alunos. Disponível em http://moodle.crie.min-edu.pt/file.php/400/guioes_moodle/alunos_1_1_.pdf ; Shuler, C., Winters, N. & West, M (2014). O futuro da aprendizagem móvel, Implicações para planejadores e gestores de políticas. Brasília. UNESCO

Anexo

20210405105906674.pdf


Ref. 79T1 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-108817/20

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 29-04-2021

Fim: 15-07-2021

Regime: e-learning

Local: ON line

Formador

Maria João Rodrigues Pereira Jacinto

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa

Razões

Deseja-se que os professores criem percursos de descoberta, de inovação, acreditando que na escola e através da escola a Arte é um agente de difusão de saberes e a referência de uma comunidade. Para tal, o Programa de Educação Estética e Artística (PEEA), uma iniciativa da Direção-Geral da Educação, Ministério da Educação, pretende seguir o desígnio de uma Educação Artística com maior dimensão para todos, valorizando os modelos de uma pedagogia libertadora, criativa, divergente, que qualifica não só os seus agentes, mas também toda a comunidade, contribuindo, assim, para dinâmicas sociais. Logo, perseguindo este princípio, está previsto o acompanhamento continuado e estruturado de professores, através de formações com planos sequenciados, a fim de ser construída uma rede de conhecimentos e recursos que se alargará no tempo, à medida das necessidades das escolas e dos seus contextos. Nesta fase inicial, pretende-se que os professores compreendam e aprofundem a necessidade de realizar, nos contextos escolares ações sequenciadas e estruturadas que valorizem as culturas locais e globais para a construção de uma marca de identidade. Os professores são o centro da mudança, são os que têm e encontram as estratégias, pelo que é necessária uma formação adequada, que permita tomadas de ação na escola e, por outro, revele a Arte como um dos pilares da cultura e da sociedade atual.

Objetivos

- Valorizar a literacia artística/cultural. - Refletir sobre as estratégias de intervenção da Educação Artística em contexto escolar. - Identificar metodologias para a construção de um Programa Cultural de Agrupamento. - Desenvolver estratégias de intervenção colaborativas, alicerçadas na criatividade e no desenvolvimento integral dos alunos. - Envolver a participação de entidades artísticas, culturais, sociais, municipais, do território local, no contexto escolar.

Conteúdos

- Educação Artística – Conceitos e constrangimentos que se colocam à sua ação. - Educação Artística no perfil dos alunos. - Educação Artística no contexto escolar. - Estratégias de Programação Cultural em contexto escolar.

Metodologias

Apresentação do plano da Formação e o seu enquadramento na missão do PEEA; identificação e compreensão das finalidades da formação; o conceito de Educação Artística (EA); apresentação de expectativas iniciais, em relação à necessidade de criar um Programa Cultural (PC) em contexto escolar. Enquadramento do conceito de EA no Perfil dos Alunos; contextualização do papel da EA no processo educativo; identificação das práticas de ação artística/cultural no contexto profissional dos formandos. Apresentação de estratégias para a criação de um PC; reflexão sobre os projetos culturais do agrupamento de escolas a que os formandos pertencem; planeamento de atividades para a conceção de um PC em contexto escolar, por cada formando. Realização de tarefas para a construção de um possível guião de programação; exposição, em plenário, das intenções para a realização de um Guião de PC, a ser apresentado como Trabalho Individual; reflexão sobre o conhecimento produzido ao longo da formação.

Avaliação

Serão utilizados os seguintes critérios: Participação e contributos 50%; Trabalho de aplicação de conteúdos 50%. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final elaborado pelos formandos.

Bibliografia

Abreu, M., Amaral, C., Amado, M., Lapa, O., Guerreiro, R. S., e Monteiro, S.: Guia das Artes Visuais e do Espectáculo. Lisboa, Cassefaz/Instituto das Artes (2006). Frois, J.P. (2000) (coord): Educação Estética e Artística – abordagens transdisciplinares. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. Gardner, Howard: Art, Mind, and Brain: a Cognitive Approach to Creativity. New York, Basic Books (1982 Ribeiro, António Pinto: Ser Feliz é Imoral: Ensaios sobre cultura, cidades e distribuição. Lisboa: Cotovia (2000). UNESCO (2006): Roteiro para a Educação Artística. Desenvolver as Capacidade Criativas para o Século XXI. Lisboa (2006).

Anexo

20210420110043536.pdf

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 29-04-2021 (Quinta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
2 06-05-2021 (Quinta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial
3 28-05-2021 (Sexta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial
4 04-06-2021 (Sexta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial
5 08-06-2021 (Terça-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial
6 15-06-2021 (Terça-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial

Ref. 118T1 Em avaliação

Registo de acreditação: Registo 118 CD nº ___________________

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 12-06-2021

Fim: 12-06-2021

Regime: e-learning

Local: zoom

Formador

Sofia Cláudia Edra Tavares Quaresma

Analita Alves dos Santos

Destinatários

Educadores de Infância; Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 100, 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 100, 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/ Centro de Ciência Viva

Razões

Há muito que se concluiu que saber ler, escrever e contar constituem apenas alicerces para o desenvolvimento de competências bem mais complexas, muitas delas consideradas imprescindíveis ao longo do percurso escolar e até para a vida. Quando nos debruçamos um pouco sobre as aprendizagens essenciais e/ou o perfil dos alunos no final de cada ciclo, apercebemo-nos que desde cedo se pretende que o aluno consolide a compreensão de narrativas literárias e que o desenvolvimento do gosto e hábitos de leitura decorram de experiências prazerosas e significativas. Por outro lado, ninguém poderá negar a atual “perspetiva Ciência-Tecnologia-Sociedade-Ambiente (CTSA)” do mundo em que vivemos. Como tal, a implementação de ações estratégicas no ensino das Ciências e da Tecnologia, são também contempladas em documentos oficiais relacionados com as aprendizagens essenciais. Numa altura em que é cada vez mais claro que a criança apreende o mundo como um todo, tornam-se evidentes os resultados positivos da articulação curricular e das dinâmicas interdisciplinares. A literatura pode ser uma excelente ferramenta para a literacia científica e uma forma de os alunos desenvolverem diversas capacidades nesse processo, servindo por outro lado a natural curiosidade infantil ou a realização de experiências para despertar o prazer e o gosto por aprender através da leitura. Com este intuito, muitos autores dinamizam já actividades e criam estratégias para exploração das obras criadas. Nesta ACD teremos presentes três destes autores que irão partilhar a sua experiência criativa e de exploração dos seus livros com professores e alunos.

Conteúdos

- Aprendizagens essenciais e perfil do aluno; - Literatura infantil e literacia científica; - Escrever uma história com ciência – testemunhos de autor; - Explorar a ciência nos livros; - Promover a articulação curricular – diferentes abordagens


Ref. 112T1 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109536/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 14-05-2021

Fim: 24-06-2021

Regime: Presencial

Local: Zoom e presencial

Formador

Ricardo Ferreira da Costa Pinho

Destinatários

Professores do Ensino Secundário- grupo 420.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira do grupo 420. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do grupo 420.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa

Razões

Os SIG são uma área quase desconhecida pela maioria dos professores de Geografia dos ensinos básico e secundário em Portugal. As aprendizagens essenciais da disciplina de Geografia para o 7º e o 10º anos de escolaridade consideram que “a utilização das (…) TIG é fundamental para a aprendizagem dos padrões de distribuição dos diferentes fenómenos naturais e humanos” e que os alunos devem ser capazes de “aplicar as Tecnologias de Informação Geográfica (…) para localizar, descrever e compreender e os fenómenos geográficos.” O crescente emprego dos SIG em vários ramos da Geografia implica que a atividade profissional dos docentes do 3º ciclo e do ensino secundário se estenda também a ações de formação neste domínio, que, no nosso país, têm sido muito raras e discretas.

Objetivos

Compreender as novas perspetivas da pedagogia na sociedade digital; Familiarizar o público-alvo com as linhas estruturantes das Aprendizagens Essenciais; Consciencializar os docentes para os problemas colocados pelas novas formas de literacias ligadas ao mundo digital em que nos inserimos; Desenvolver atitudes de abertura à inovação tecnológica; Fomentar um ensino centrado no aluno, assumindo-se o professor como um mediador e facilitador da comunicação; Desenvolver estratégias de ensino-aprendizagem concretas e motivadoras que operacionalizem conhecimentos, capacidades e atitudes preconizados pelas novas Aprendizagens Essenciais; Promover práticas pedagógicas que permitam aos alunos desenvolver a alfabetização espacial.

Conteúdos

1. Apresentação; 2. Introdução: Os SIG e o Google Earth nas aprendizagens essenciais de Geografia; 3. Os SIG e a educação geográfica; 4. Os SIG: estrutura, tipos de informação e modelos de dados; 5. Realização de exercícios práticos em ambiente SIG; 6. A rentabilização do Google Earth na sala de aula; 7. Realização de exercícios práticos no Google Earth; 8. Exercícios práticos; 9. Aplicação das TIG produzidas em sala de aula; 10. Apresentação de trabalhos e avaliação

Metodologias

Esta oficina de formação desenvolver-se-á em três fases: • 1ª Fase – os formandos irão adquirir competências no domínio das TIG, em particular dos SIG e do Google Earth, e, sob a supervisão dos formadores, irão criar materiais didáticos e novas situações de ensino-aprendizagem, de forma a proporcionarem aos alunos um conjunto de competências ao nível da problematização, da atividade reflexiva, da atitude crítica, da capacidade de decisão e da autonomia. • 3ª Fase – Fase de análise/discussão/reflexão, em que se avaliarão os resultados obtidos. • 2ª Fase – Os formandos irão produzir outros materiais didáticos seguindo a metodologia apreendida e intervirão na sala de aula através da aplicação das ferramentas utilizadas na 1ª fase, dos materiais produzidos e das estratégias definidas-trabalho autónomo).

Avaliação

A avaliação dos formandos terá em conta os seguintes parâmetros: • Participação: nas tarefas; pela intervenção; pela assiduidade e pontualidade – 30%; • Produção de trabalhos e/ou materiais e sua aplicação – 20%; • Reflexão critica/ memória final e relatório de implementação – 50%

Bibliografia

BEDNARZ, Sarah. (2004). Geographic information systems: A tool to support geography and environmental education? GeoJournal, 60: pp. 191-199. GOMES, N. F. L. (2006). Potencial didáctico dos Sistemas de Informação Geográfica no ensino da Geografia. Tese de Mestrado, Instituto Superior de Estatística e Gestão de Informação, Universidade Nova de Lisboa, 159 pp. MATOS, J. (2001). Fundamentos de Informação Geográfica, Lidel, 424 pp. MILSON, A. J.; DEMIRCI, A.; e KERSKY, J. J. (2012). International Perspectives on Teaching and Learning with GIS in Secondary Schools, Springer. PASSOS, F. (2011). A importância do Sistema de Informação Geográfica – SIG – no ensino de Cartografia, VII Colóquio de Cartografia para Crianças e Escolares. Imaginação e Inovação: desafios para a Cartografia Escolar. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, pp. 340-348.

Observações

As sessões presenciais serão na Escola Joaquim Magalhães.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 14-05-2021 (Sexta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial

Ref. 94T5 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109826/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 20-04-2021

Fim: 03-06-2021

Regime: e-learning

Local: None

Formador

Décio Gonçalves Viegas

Destinatários

Professores de todos os grupos de recrutamento

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/(DGE

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores da Comissão Europeia (doravante DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 1) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 1 (A1/A2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (B1/B2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos.

Conteúdos

1. Documentos enquadradores das políticas educativas atuais associados ao Plano nacional de Transição Digital. 2. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 3. Recursos Digitais: Exploração, seleção e adequação de RED ao contexto de aprendizagem. Utilização de RED interativos. 4. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais. 6. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos. 7. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo

20210405111102802.pdf

Observações

Cronograma disponibilizado em breve

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 20-04-2021 (Terça-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
2 27-04-2021 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 04-05-2021 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 11-05-2021 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
5 13-05-2021 (Quinta-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
6 18-05-2021 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 20-05-2021 (Quinta-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
8 24-05-2021 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
9 01-06-2021 (Terça-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
10 08-06-2021 (Terça-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona

Ref. 94T3 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109826/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 19-04-2021

Fim: 07-06-2021

Regime: e-learning

Local: None

Formador

Carlos Alexandre Francisco Rodrigues

Destinatários

Professores de todos os grupos de recrutamento

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/(DGE

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores da Comissão Europeia (doravante DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 1) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 1 (A1/A2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (B1/B2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos.

Conteúdos

1. Documentos enquadradores das políticas educativas atuais associados ao Plano nacional de Transição Digital. 2. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 3. Recursos Digitais: Exploração, seleção e adequação de RED ao contexto de aprendizagem. Utilização de RED interativos. 4. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais. 6. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos. 7. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo

20210405111102802.pdf

Observações

Cronograma disponibilizado em breve

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 19-04-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial
2 26-04-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial
3 03-05-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial
4 10-05-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial
5 17-05-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial
6 24-05-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial
7 31-05-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial

Ref. 94T4 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109826/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 19-04-2021

Fim: 02-06-2021

Regime: e-learning

Local: None

Formador

Décio Gonçalves Viegas

Destinatários

Professores de todos os grupos de recrutamento

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/(DGE

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores da Comissão Europeia (doravante DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 1) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 1 (A1/A2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (B1/B2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos.

Conteúdos

1. Documentos enquadradores das políticas educativas atuais associados ao Plano nacional de Transição Digital. 2. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 3. Recursos Digitais: Exploração, seleção e adequação de RED ao contexto de aprendizagem. Utilização de RED interativos. 4. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais. 6. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos. 7. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo

20210405111102802.pdf

Observações

Cronograma disponibilizado em breve

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 19-04-2021 (Segunda-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
2 26-04-2021 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 03-05-2021 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 10-05-2021 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
5 12-05-2021 (Quarta-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
6 17-05-2021 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 19-05-2021 (Quarta-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
8 24-05-2021 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
9 31-05-2021 (Segunda-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
10 07-06-2021 (Segunda-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona

Ref. 80T1 Em avaliação

Registo de acreditação: Registo 80 CD nº 28 21.04.2021

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 23-03-2021

Fim: 23-03-2021

Regime: Presencial

Local: ZOOM

Formador

Maria de Fátima Lopes Borralho

Destinatários

Professores do 1º Ciclo, Professores do 2º Ciclo, 3º Ciclo e Secundário

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 230, 500, 910, 920, 930. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 110, 230, 500, 910, 920, 930.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/Centro de Recursos TIC para a Educação Especial (CRTIC), Faro

Razões

O Decreto-Lei n.º 54/2018, de 6 de julho prevê que as opções metodológicas tomadas terão de ter como base o Desenho Universal para a Aprendizagem, partindo do princípio de que a escola é um local onde todas as crianças e jovens têm o direito a ter um atendimento e uma educação de qualidade, onde se procura garantir que o Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória seja atingido por todos, ainda que através de percursos diferenciados, permitindo cada um progredir no currículo com vista ao seu sucesso educativo. Assim, é fundamental, a par com a excelência científica dos docentes, que estes tenham estratégias e ferramentas que possam facilitar a construção de materiais e práticas para respeitar os ritmos de aprendizagem dos alunos. A plataforma HypatiaMat é da responsabilidade de investigadores da Universidade do Minho, da Universidade de Coimbra e de outras proveniências, que construíram este site com muitas aplicações hipermédia centradas nos conteúdos de Matemática do 1.º ao 9.º ano.

Conteúdos

Apresentação da ação e seu funcionamento; Divulgação dos serviços e da atividade dos Centros de Recursos de Tecnologias de Informação e Comunicação para a Educação Especial (CRTIC) – centros prescritores de produtos de apoio do Ministério da Educação; Conceito de produto de apoio; Conceito de software livre; APPs e recursos especiais; Apresentação da plataforma HypatiaMat fazendo um paralelismo com as aprendizagens essenciais do ensino básico (tendo em conta os níveis de ensino lecionados pelos formandos presentes na ação).

Anexo

acd-HypatiaMat-23março21_mfborralho.pdf

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 23-03-2021 (Terça-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona

Ref. 89T1 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-111141/21

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 17-03-2021

Fim: 12-05-2021

Regime: e-learning

Local: ZOOM

Formador

Sílvia Cristina de Sousa Simões Pinto Roda Couvaneiro

Destinatários

Educadores de Infância;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira do grupo 100. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do grupo 100.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa

Razões

Considera-se fundamental no PTD a integração e capacitação digital dos educadores de infância nas suas práticas pedagógicas. Esta capacitação representa uma forte aposta no processo de valorização e no desenvolvimento profissional dos docentes no domínio da literacia digital e das competências digitais, no sentido de os dotar das competências necessárias à integração transversal, de modo a que estas se afirmem como facilitadoras das práticas profissionais e pedagógicas e, simultaneamente, promotoras de inovação no processo de ensino e de aprendizagem. O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores é o referencial que dá suporte a este plano, contribuindo para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional.

Objetivos

Pretende-se apoiar os educadores na promoção de estratégias e de ações integradoras do digital que permitam melhorar a qualidade do trabalho realizado. São objetivos específicos da oficina: Conceber, selecionar e partilhar recursos digitais no âmbito da educação de infância; Integrar o digital nas propostas educativas, numa perspetiva da articulação plena das aprendizagens; Planificar, avaliar e comunicar com recurso ao digital. Capacitar os docentes da EPE para a promoção da utilização crítica e responsável de diferentes suportes digitais nas atividades do quotidiano das crianças.

Conteúdos

1. Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 2. Exploração de estratégias de promoção do uso pedagógico de tecnologias digitais. 3. Exploração, seleção e adequação de Recursos Educativos Digitais (RED) ao contexto de aprendizagem. 4. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Exploração de recursos digitais de apoio ao planeamento e à avaliação das aprendizagens. 6. Planificação de atividades, projetos e outras metodologias com recurso às tecnologias digitais. 7. Utilização de estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da cidadania digital das crianças. 8. Apresentação e partilha das atividades desenvolvidas pelos formandos na oficina. 9. Reflexão e debate sobre as atividades apresentadas e análise dos resultados obtidos pela sua implementação. 10. Avaliação e conclusões.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas: à exploração, reflexão e articulação das OCEPE com a integração dos ambientes digitais nas aprendizagens das crianças; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na educação pré-escolar, que promovam o desenvolvimento das CD dos docentes; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados das atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem, tendo por base as OCEPE, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://ec.europa.eu/education/sites/education/files/document-library-docs/deap-swd-sept2020_en.pdf Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Kampylis, P., Punie, Y. & Devine, J. (2015); Promoting Effective Digital-Age Learning - A European Framework for Digitally- Competent Educational Organisations. Disponível: http://publications.jrc.ec.europa.eu/repository/bitstream/JRC98209/jrc98209_r_digcomporg_final.pdf Lopes da Silva, I., Marques, L., Mata, L. e Rosa, M. (2016). Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar. Lisboa: ME/DGE. Disponível em: http://www.dge.mec.pt/ocepe/sites/default/files/Orientacoes_Curriculares.pdf

Anexo

20210405111904190.pdf

Observações

Prioridades – Educadores do CFAE Ria Formosa

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 17-03-2021 (Quarta-feira) 16:30 - 18:30 2:00 Online síncrona
2 22-03-2021 (Segunda-feira) 17:00 - 18:00 1:00 Online síncrona
3 24-03-2021 (Quarta-feira) 17:00 - 19:00 2:00 Online síncrona
4 14-04-2021 (Quarta-feira) 16:30 - 18:30 2:00 Presencial
5 10-05-2021 (Segunda-feira) 17:00 - 18:00 1:00 Online síncrona

Ref. 87T1 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110847/21

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 15-03-2021

Fim: 08-04-2021

Regime: e-learning

Local: MEET

Formador

Maria de Fátima Dionísio Gomes

Destinatários

Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo; Professores do Ensino Secundário;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 200, 210, 220, 300, 320, 330, 340, 350. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 200, 210, 220, 300, 320, 330, 340, 350.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

CENTRO DE FORMAÇÃO RIA FORMOSA/SDP SUL

Anexo

Informação.pdf

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 15-03-2021 (Segunda-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona

Ref. 83T1 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110541/21

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 12-03-2021

Fim: 04-06-2021

Regime: e-learning

Local: ZOOM

Formador

Helena Sofia Machado dos Santos

Destinatários

Professores do Ensino Secundário;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

CENTRO DE FORMAÇÃO RIA FORMOSA / AGRUPAMENTO DE ESCOLAS TOMÁS CABREIRA

Razões

A publicação do Decreto-Lei nº 55/2018, de 6 de julho, consagra mudanças significativas ao nível do currículo, assumindo um dos seus princípios orientadores: a “afirmação da avaliação das aprendizagens como parte integrante da gestão do currículo enquanto instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens”. A avaliação não pode ser encarada como um processo isolado ou desligado do currículo e do desenvolvimento curricular. Neste contexto, urge desmultiplicar os conhecimentos e sensibilidades adquiridas e promover a concretização do Projeto de Intervenção elaborado, no âmbito do Projeto MAIA. Para a operacionalização das ações delineadas é essencial possibilitar o desenvolvimento das competências de reflexão e de intervenção dos docentes, em termos de planeamento, de organização do trabalho de aprendizagem em sala de aula, de interlocução pedagógica e de avaliação dos conhecimentos, das capacidades e das atitudes dos estudantes. A promoção do trabalho colaborativo, entre docentes pertencentes a grupos disciplinares e níveis de escolaridade distintos, é uma forma de valorizar o intercâmbio de saberes e de experiências, contribuindo para a melhoria das páticas de avaliação pedagógica e consequente concretização e sucesso do projeto de intervenção.

Objetivos

- Contribuir para o desenvolvimento de competências e conhecimentos no domínio da avaliação pedagógica; - Capacitar os docentes a desenvolver as suas competências de reflexão e de intervenção, em termos de planeamento, de organização do trabalho de aprendizagem em sala de aula e de avaliação dos conhecimentos, das capacidades e das atitudes dos estudantes; - Incrementar práticas colaborativas e cooperativas para a operacionalização do projeto de intervenção; - Promover a articulação interdisciplinar e o trabalho de colaboração entre docentes pertencentes a grupos disciplinares e níveis de escolaridade distintos; - Conceber, construir e operacionalizar metodologias e processos com vista a desenvolver as ações, no âmbito da avaliação pedagógica, delineadas no projeto de intervenção; - Permitir a troca de materiais e experiências, o esclarecimento de dúvidas e a geração de ideias de natureza pedagógica e didática; - Reformular planificações e critérios de avaliação e diversificar processos de recolha de informação

Conteúdos

Esclarecimento sobre os conceitos: avaliação pedagógica; avaliação formativa e avaliação sumativa; feedback, aprendizagens essenciais, critérios de avaliação, descritores de níveis de desempenho e de standards, rubricas e processos de recolha de informação; - Revisão, reajustamento e reformulação das práticas de avaliação pedagógica tendo em atenção os princípios da avaliação formativa; - Promoção do trabalho colaborativo e cooperativo para a operacionalização das ações delineadas no projeto de intervenção.

Metodologias

Os formandos desenvolverão, através do trabalho colaborativo e cooperativo, com o devido enquadramento teórico, a construção e/ou reformulação de materiais para a implementação em contexto real de aprendizagem, as ações delineadas no projeto de intervenção. Assim como a reflexão crítica sobre os resultados obtidos e as mudanças que deverão ser adotadas. Estas sessões serão realizadas em contexto real de aprendizagem com o desenvolvimento e a aplicação das ações delineadas no projeto. Elaboração de portefólio de evidências do trabalho

Avaliação

Participação: (25%) - Nas tarefas de realização presencial conjunta. Produtividade: (60%) - Qualidade dos materiais concretos para intervenção; - Aplicabilidade dos mesmos nas práticas/aplicação de novos meios processuais ou técnicos/produção em contexto; - Reflexão crítica/introdução de ajustamentos. Socialização: (15%) - Partilha, cooperação/relacionamento interpessoal e prestação e integração de feedback.

Bibliografia

Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória Decreto-Lei n.º 55/2018 de 6 de julho. Decreto-Lei n.º 54/2018 de 6 de julho Portaria n.º 223-A/2018 de 3 de agosto. Portaria n.º 226-A/2018 de 7 de agosto Portaria n.º 229-A/2018 de 14 de agosto Portaria n.º 235-A/2018 de 23 de agosto Fernandes, D. (2020a). Diversificação dos Processos de Recolha de Informação (Fundamentos). Folha de apoio à formação MAIA. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e Direção Geral de Educação do Ministério da Educação. Fernandes, D. (2020b). Diversificação dos Processos de Recolha de Informação (Dois Exemplos). Folha de apoio à formação MAIA. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e Direção Geral de Educação do Ministério da Educação. Fernandes, D. (2020d). Critérios de Avaliação. Texto de apoio à formação MAIA. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e Direção Geral de Educação do Ministério da Educação. Fernandes, D. (2020e). Critérios de Avaliação. Folha de apoio à formação MAIA. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e Direção Geral de Educação do Ministério da Educação

Anexo

20210405120127975.pdf

Observações

Exclusiva a docentes do Agrupamento de Escolas Tomás Cabreira

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 12-03-2021 (Sexta-feira) 09:30 - 11:30 2:00 Online síncrona

Ref. 14T3 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-108540/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 11-03-2021

Fim: 02-06-2021

Regime: Presencial

Local: ZOOM

Formador

Helena Sofia Machado dos Santos

Destinatários

EXCLUSIVA A PROFESSORES DO AGRUPAMENTO TOMÁS CABREIRA - Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Professores do Ensino Especial

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

CENTRO DE FORMAÇÃO RIA FORMOSA/ AGRUPAMENTO TOMÁS CABREIRA

Razões

A avaliação, a aprendizagem e o ensino são três processos pedagógicos incontornáveis e fundamentais que devem ser devidamente compreendidos por todos os intervenientes nos sistemas educativos. A avaliação, em qualquer nível de ensino, só fará real sentido se estiver fortemente articulada, ou mesmo integrada, com o ensino e com a aprendizagem. Ou seja, a avaliação deve acompanhar todas as práticas pedagógicas e, em particular, os processos de ensino para que estes possam ser contínua e sistematicamente regulados e melhorados. (Fernandes, 2019c). A publicação do Decreto-Lei nº 55/2018, de 6 de julho, consagra mudanças significativas ao nível do currículo, assumindo um dos seus princípios orientadores: a “afirmação da avaliação das aprendizagens como parte integrante da gestão do currículo enquanto instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens”. A avaliação não pode ser encarada como um processo isolado ou desligado do currículo e do desenvolvimento curricular.

Objetivos

- Contribuir para o desenvolvimento de competências e conhecimentos no domínio da avaliação pedagógica; - Capacitar os docentes a desenvolver as suas competências de reflexão e de intervenção, em termos de planeamento, de organização do trabalho de aprendizagem em sala de aula e de avaliação dos conhecimentos, das capacidades e das atitudes dos estudantes; - Incrementar práticas colaborativas e cooperativas para a operacionalização do projeto de intervenção; - Promover a articulação interdisciplinar e o trabalho de colaboração entre docentes pertencentes a grupos disciplinares e níveis de escolaridade distintos; - Conceber, construir e operacionalizar metodologias e processos com vista a desenvolver as ações, no âmbito da avaliação pedagógica, delineadas no projeto de intervenção; - Permitir a troca de materiais e experiências, o esclarecimento de dúvidas e a geração de ideias de natureza pedagógica e didática; - Reformular planificações e critérios de avaliação e diversificar processos de recolha de informação

Conteúdos

- Apresentação do projeto de intervenção; - Enquadramento curricular; - Esclarecimento sobre os conceitos: avaliação pedagógica; avaliação formativa e avaliação sumativa; feedback, aprendizagens essenciais, critérios de avaliação, descritores de níveis de desempenho e de standards, rubricas e processos de recolha de informação; - Revisão, reajustamento e reformulação das práticas de avaliação pedagógica tendo em atenção os princípios da avaliação formativa; - Promoção do trabalho colaborativo e cooperativo para a operacionalização das ações delineadas no projeto de intervenção.

Metodologias

Neste âmbito, será efetuada a apresentação do projeto de intervenção. Em seguida os formandos desenvolverão, através do trabalho colaborativo e cooperativo, com o devido enquadramento teórico, a construção e/ou reformulação de materiais para a implementação em contexto real de aprendizagem, as ações delineadas no projeto de intervenção. Assim como a reflexão crítica sobre os resultados obtidos e as mudanças que deverão ser adotadas. Estas sessões serão realizadas em contexto real de aprendizagem com o desenvolvimento e a aplicação das ações delineadas no projeto. Elaboração de portefólio de evidências do trabalho realizado.

Avaliação

Participação: (25%) -- Nas tarefas de realização presencial conjunta Produtividade: (60%) - Qualidade dos materiais concretos para intervenção; - Aplicabilidade dos mesmos nas práticas/aplicação de novos meios processuais ou técnicos/produção em contexto; - Reflexão crítica/introdução de ajustamentos. Socialização: (15%) - Partilha, cooperação/relacionamento interpessoal e prestação e integração de feedback. Portefólio individual ou de grupo com os materiais produzidos (suporte de papel ou objetos didáticos produzidos ou informático).

Bibliografia

Fernandes, D. (2019c). Para uma Fundamentação e Melhoria das práticas de Avaliação Pedagógica. Texto de apoio à formação MAIA. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e Direção Geral de Educação do Ministério da Educação. Fernandes, D. (2020b). Diversificação dos Processos de Recolha de Informação (Dois Exemplos). Folha de apoio à formação MAIA. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e Direção Geral de Educação do Ministério da Educação. Fernandes, D. (2020c). Rubricas de Avaliação. Folha de apoio à formação MAIA. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e Direção Geral de Educação do Ministério da Educação Fernandes, D. (2020d). Critérios de Avaliação. Texto de apoio à formação MAIA. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e Direção Geral de Educação do Ministério da Educação Machado, E.A. (2020b). Participação dos Alunos nos Processos de Avaliação. Folha de apoio à formação MAIA. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e Direção Geral de Educação do Ministério da Educação.

Anexo

AVALIAÇÃO....JPG

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 11-03-2021 (Quinta-feira) 17:15 - 19:15 2:00 Online síncrona

Ref. 14T4 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-108540/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 11-03-2021

Fim: 02-06-2021

Regime: Presencial

Local: None

Formador

Helena Sofia Machado dos Santos

Destinatários

EXCLUSIVA A PROFESSORES DO AGRUPAMENTO TOMÁS CABREIRA - Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Professores do Ensino Especial

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

CENTRO DE FORMAÇÃO RIA FORMOSA/ AGRUPAMENTO TOMÁS CABREIRA

Razões

A avaliação, a aprendizagem e o ensino são três processos pedagógicos incontornáveis e fundamentais que devem ser devidamente compreendidos por todos os intervenientes nos sistemas educativos. A avaliação, em qualquer nível de ensino, só fará real sentido se estiver fortemente articulada, ou mesmo integrada, com o ensino e com a aprendizagem. Ou seja, a avaliação deve acompanhar todas as práticas pedagógicas e, em particular, os processos de ensino para que estes possam ser contínua e sistematicamente regulados e melhorados. (Fernandes, 2019c). A publicação do Decreto-Lei nº 55/2018, de 6 de julho, consagra mudanças significativas ao nível do currículo, assumindo um dos seus princípios orientadores: a “afirmação da avaliação das aprendizagens como parte integrante da gestão do currículo enquanto instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens”. A avaliação não pode ser encarada como um processo isolado ou desligado do currículo e do desenvolvimento curricular.

Objetivos

- Contribuir para o desenvolvimento de competências e conhecimentos no domínio da avaliação pedagógica; - Capacitar os docentes a desenvolver as suas competências de reflexão e de intervenção, em termos de planeamento, de organização do trabalho de aprendizagem em sala de aula e de avaliação dos conhecimentos, das capacidades e das atitudes dos estudantes; - Incrementar práticas colaborativas e cooperativas para a operacionalização do projeto de intervenção; - Promover a articulação interdisciplinar e o trabalho de colaboração entre docentes pertencentes a grupos disciplinares e níveis de escolaridade distintos; - Conceber, construir e operacionalizar metodologias e processos com vista a desenvolver as ações, no âmbito da avaliação pedagógica, delineadas no projeto de intervenção; - Permitir a troca de materiais e experiências, o esclarecimento de dúvidas e a geração de ideias de natureza pedagógica e didática; - Reformular planificações e critérios de avaliação e diversificar processos de recolha de informação

Conteúdos

- Apresentação do projeto de intervenção; - Enquadramento curricular; - Esclarecimento sobre os conceitos: avaliação pedagógica; avaliação formativa e avaliação sumativa; feedback, aprendizagens essenciais, critérios de avaliação, descritores de níveis de desempenho e de standards, rubricas e processos de recolha de informação; - Revisão, reajustamento e reformulação das práticas de avaliação pedagógica tendo em atenção os princípios da avaliação formativa; - Promoção do trabalho colaborativo e cooperativo para a operacionalização das ações delineadas no projeto de intervenção.

Metodologias

Neste âmbito, será efetuada a apresentação do projeto de intervenção. Em seguida os formandos desenvolverão, através do trabalho colaborativo e cooperativo, com o devido enquadramento teórico, a construção e/ou reformulação de materiais para a implementação em contexto real de aprendizagem, as ações delineadas no projeto de intervenção. Assim como a reflexão crítica sobre os resultados obtidos e as mudanças que deverão ser adotadas. Estas sessões serão realizadas em contexto real de aprendizagem com o desenvolvimento e a aplicação das ações delineadas no projeto. Elaboração de portefólio de evidências do trabalho realizado.

Avaliação

Participação: (25%) -- Nas tarefas de realização presencial conjunta Produtividade: (60%) - Qualidade dos materiais concretos para intervenção; - Aplicabilidade dos mesmos nas práticas/aplicação de novos meios processuais ou técnicos/produção em contexto; - Reflexão crítica/introdução de ajustamentos. Socialização: (15%) - Partilha, cooperação/relacionamento interpessoal e prestação e integração de feedback. Portefólio individual ou de grupo com os materiais produzidos (suporte de papel ou objetos didáticos produzidos ou informático).

Bibliografia

Fernandes, D. (2019c). Para uma Fundamentação e Melhoria das práticas de Avaliação Pedagógica. Texto de apoio à formação MAIA. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e Direção Geral de Educação do Ministério da Educação. Fernandes, D. (2020b). Diversificação dos Processos de Recolha de Informação (Dois Exemplos). Folha de apoio à formação MAIA. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e Direção Geral de Educação do Ministério da Educação. Fernandes, D. (2020c). Rubricas de Avaliação. Folha de apoio à formação MAIA. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e Direção Geral de Educação do Ministério da Educação Fernandes, D. (2020d). Critérios de Avaliação. Texto de apoio à formação MAIA. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e Direção Geral de Educação do Ministério da Educação Machado, E.A. (2020b). Participação dos Alunos nos Processos de Avaliação. Folha de apoio à formação MAIA. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e Direção Geral de Educação do Ministério da Educação.

Anexo

AVALIAÇÃO....JPG

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 12-03-2021 (Sexta-feira) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona

Ref. 78T1 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110534/21

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 24-02-2021

Fim: 24-03-2021

Regime: Presencial

Local: Zoom e presencial

Formador

Paula Vaz

Destinatários

Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo; Professores do Ensino Secundário;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/ APA

Razões

As mais recentes projeções climáticas para a região do Algarve preveem um aumento da frequência e severidade dos períodos de seca, com impactes ao nível da quantidade e qualidade dos recursos hídricos, pelo que se torna urgente e importante que se estabeleçam metas e horizontes temporais de eficiência hídrica para os principais usos. No âmbito do Plano Regional de Eficiência Hídrica do Algarve (PREH-Algarve), a Agência Portuguesa do Ambiente I.P. – Administração da Região Hidrográfica do Algarve (APA, I.P./ARH do Algarve) promove o Projeto “Eficiência Hídrica na Escola”, que tem como principal objetivo sensibilizar e mobilizar as comunidades escolares do Algarve, em parceria com os respectivos municípios,/entidades gestoras para a necessidade de medir o seu consumo da água, promovendo simultaneamente a implementação das melhores práticas para o seu uso eficiente. Para 2021 prevê-se a realização de um Concurso “Eficiência Hídrica na Escola“ e desta ação de formação, promovida pela APA, I.P./ARH do Algarve, em parceria com a Universidade do Algarve e com a ADENE - Agência para a Energia, destinada às comunidades escolares que tenham interesse em integrar a rede de escolas “EFICIÊNCIA HÍDRICA NA ESCOLA”, sendo os principais destinatários desta ação gestores/docentes das comunidades escolares e técnicos das autarquias/entidades gestoras.

Objetivos

À semelhança do concurso mencionado, a formação tem como principal objetivo sensibilizar e mobilizar as comunidades escolares do Algarve, em parceria com os respectivos municípios/entidades gestoras, para a necessidade de medir os seus consumos de água, promovendo simultaneamente a implementação de práticas de Melhoria Contínua para o seu uso eficiente. Pretende-se com esta oficina capacitar o corpo docente para a eficiência hídrica na Escola, apresentando as práticas de Melhoria Contínua disponíveis para o uso eficiente da água, realçando o nexus água-energia-segurança alimentar, bem como a interdependência entre sociedade e os serviços dos ecossistemas. Assim, poderá a Escola funcionar como um “laboratório” de boas práticas em termos de infraestruturas, equipamentos e dispositivos mas também comportamentais, que permitam alavancar na atualidade outras dinâmicas e posturas na região do Algarve, bem como alterar o desempenho das sociedades futuras.

Conteúdos

A oficina proposta irá dividir-se em dois grandes grupos, em que cada um irá incidir sobre um conjunto de tópicos teóricos e teórico-práticos, respectivamente. O primeiro grupo, intitulado “Capacitação Teórica”, pretende facultar aos participantes informações sobre os recursos hídricos na região do Algarve, num contexto de crescente pressão antrópica e de alterações climáticas, e acerca dos diversos cenários futuros que a região poderá enfrentar. Serão apresentadas as alterações que se têm observado no ciclo hidrológico, a importância das relações entre água, energia e segurança alimentar, destacando também as Soluções Baseadas na Natureza e os múltiplos serviços dos ecossistemas. Ainda neste grupo, será apresentado o Plano Regional de Eficiência Hídrica do Algarve (PREH-Algarve), com destaque para as medidas propostas nas áreas urbanas. O grupo termina com a discussão sobre o Ciclo Urbano da Água na Escola, como “laboratório” de boas práticas aos níveis infraestrutural (e.g. redes, dispositivos, equipamentos) e comportamental, que permitam melhorar a eficiência no uso da água e alavancar na atualidade outras dinâmicas e posturas na região do Algarve, bem como alterar o desempenho das sociedades futuras. No segundo grupo desta oficina, designado “Capacitação para a Ação”, serão apresentadas e facultadas as ferramentas teórico-práticas que efetivam a transferência de conhecimentos. Serão demonstradas as melhores práticas disponíveis, passíveis de serem aplicadas nos estabelecimentos escolares, seguidas de casos de estudo de aplicação para melhorar a eficiência hídrica nas escolas. Serão depois disponibilizadas ferramentas didáticas, úteis para que possam ser desenvolvidos projetos com os alunos, sobre o tema da eficiência hídrica no estabelecimento escolar e em ambiente familiar.

Metodologias

A oficina proposta irá dividir-se em dois grandes grupos, em que cada um irá incidir sobre um conjunto de tópicos teóricos e teórico-práticos, respectivamente. O primeiro grupo, intitulado “Capacitação Teórica”, pretende facultar aos participantes informações sobre os recursos hídricos na região do Algarve, num contexto de crescente pressão antrópica e de alterações climáticas, e acerca dos diversos cenários futuros que a região poderá enfrentar. Serão apresentadas as alterações que se têm observado no ciclo hidrológico, a importância das relações entre água, energia e segurança alimentar, destacando também as Soluções Baseadas na Natureza e os múltiplos serviços dos ecossistemas. Ainda neste grupo, será apresentado o Plano Regional de Eficiência Hídrica do Algarve (PREH-Algarve), com destaque para as medidas propostas nas áreas urbanas. O grupo termina com a discussão sobre o Ciclo Urbano da Água na Escola, como “laboratório” de boas práticas aos níveis infraestrutural (e.g. redes, dispositivos, equipamentos) e comportamental, que permitam melhorar a eficiência no uso da água e alavancar na atualidade outras dinâmicas e posturas na região do Algarve, bem como alterar o desempenho das sociedades futuras. No segundo grupo desta oficina, designado “Capacitação para a Ação”, serão apresentadas e facultadas as ferramentas teórico-práticas que efetivam a transferência de conhecimentos. Serão demonstradas as melhores práticas disponíveis, passíveis de serem aplicadas nos estabelecimentos escolares, seguidas de casos de estudo de aplicação para melhorar a eficiência hídrica nas escolas. Serão depois disponibilizadas ferramentas didáticas, úteis para que possam ser desenvolvidos projetos com os alunos, sobre o tema da eficiência hídrica no estabelecimento escolar e em ambiente familiar.

Avaliação

Participação nas atividades / sessões presenciais Aplicação de materiais Relatório final 20% 40% 40%

Bibliografia

ECO.AP 2030 – Programa de Eficiência de Recursos na Administração Pública PNUEA – Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água PREH-Algarve - Plano Regional de Eficiência Hídrica do Algarve Portal da Água - https://www.portaldaagua.pt/ ADENE – Agência para a Energia - https://www.adene.pt/hidrica/

Anexo

20210405121526479.pdf

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 24-02-2021 (Quarta-feira) 17:30 - 18:30 1:00 Online síncrona

Ref. 65T1 Em avaliação

Registo de acreditação: Registo 65. CD nº28 24/02/2021

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 14-01-2021

Fim: 14-01-2021

Regime: Presencial

Local: None

Formador

ROQUE RODRIGUES ANTUNES

Destinatários

Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/ Agrupamento de Escolas Alberto Iria

Razões

Validação científica do programa Educação para o sucesso escolar, resiliência e bem-estar geral dos alunos Prática do Tempo de Silêncio em contexto de sala de aula - Instruções para conduzir a prática.

Anexo

acd-programa_temático_monitores.pdf

Observações

A ACD insere-se na medida de Desenvolvimento Pessoal, Social e Comunitário Tempo de Silêncio, tempo de desenvolvimento pessoal e social, no âmbito do Programa Nacional para a Promoção do Sucesso Escolar. A medida visa o desenvolvimento harmonioso dos alunos e promover o sucesso escolar

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 14-01-2021 (Quinta-feira) 16:00 - 18:00 2:00 Presencial

Ref. 64T1 Em avaliação

Registo de acreditação: Registo 64. CD nº28 24/02/2021

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 04-01-2021

Fim: 08-01-2021

Regime: Presencial

Local: None

Formador

ROQUE RODRIGUES ANTUNES

Destinatários

Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/ Agrupamento de Escolas Alberto Iria

Razões

I Medida de promoção do sucesso escolar/Programa Nacional de Promoção do Sucesso Escolar Princípios e valores da Educação Inclusiva e da não-discriminação na escola; Resiliência docente e discente, Educação Inclusiva e Não-Discriminação nas Escolas; II Aprendizagem da técnica de Meditação Transcendental em contexto escolar; Validação científica do programa Educação para o sucesso escolar, resiliência e bem-estar geral dos alunos Compreensão dos efeitos na mente e no corpo. Prática do Tempo de Silêncio em contexto de sala de aula – Atenção às experiências dos alunos III Benefícios da Meditação Transcendental (MT) cientificamente validados; Princípios e prática correta de Meditação Transcendental (MT); Mecanismos de eliminação natural de tensões e de stress proporcionados pela prática regular da Meditação Transcendental (MT); Os efeitos da Meditação Transcendental na saúde: mente e corpo e nos relacionamentos pessoais e profissionais; Evidências científicas da correlação entre a prática da Meditação Transcendental e a melhoria dos resultados escolares dos alunos; Evidências científicas da prática, da correlação entre a prática regular da técnica de Meditação Transcendental e a aprendizagem escolar; Meditação Transcendental e melhoria no uso da capacidade mental, memória, melhoria do comportamento dos alunos e aprendizagem; IV Acompanhamento e monitorização dos alunos na prática de Meditação Transcendental/Tempo de Silêncio em contexto de sala de aula – As dúvidas dos alunos.

Anexo

acd-programa_temático_aprendizagem_MT.pdf

Observações

A ACD insere-se na medida de Desenvolvimento Pessoal, Social e Comunitário Tempo de Silêncio, tempo de desenvolvimento pessoal e social, no âmbito do Programa Nacional para a Promoção do Sucesso Escolar. A medida visa o desenvolvimento harmonioso dos alunos e promover o sucesso escolar.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 04-01-2021 (Segunda-feira) 14:00 - 16:00 2:00 Presencial

Ref. 15T1 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-108349/20

Modalidade: Círculo de Estudos

Duração: 19.0 horas

Início: 09-10-2020

Fim: 21-01-2021

Regime: Presencial

Local: ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DE DEUS

Formador

Eurídice Maria Carvalho Gonçalves

Destinatários

Professores do 3º Ciclo.Professores do Ensino Secundário.( Grupo 200 e 300)

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 200, 210, 300. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 200, 210, 300.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/ AGRUPAMENTO JOÃO DE DEUS

Razões

Nos Programas de Português dos Ensinos Básico e Secundário é transversal o Projeto de Leitura não apenas enquanto elemento de ligação com a Educação Literária e a Leitura, mas também permitindo a articulação com a Oralidade e com a Escrita, mediante atividades destes domínios. O paradigma dos textos de complexidade crescente, associado à progressão nos próprios géneros nos vários Domínios, é um princípio fundamental dos Programas de Português. Deste modo, no Projeto de Leitura deseja-se esta complexidade e progressão, associadas ao desejável diálogo entre culturas, acrescentando o contacto com textos em português ou traduzidos para português. Conduzir o aluno a uma seleção adequada de obras/ textos, à descoberta dos seus gostos enquanto leitor, ao ultrapassar de dificuldades de leitura, enquanto sujeito dinamizador do seu crescimento como leitor, apreciador e crítico: este é o enquadramento em que se pretende implementar a presente ação, na modalidade de Círculo de Estudos.

Objetivos

Incentivar o desenvolvimento de procedimentos tendentes à necessidade de adequar as práticas pedagógicas ao desenvolvimento do Projeto de Leitura do aluno; • Desenvolver a reflexão sobre a pertinência do projeto de leitura enquanto elemento aglutinador do desenvolvimento de aprendizagens e de atividades nos vários domínios do Programa; • Incrementar o conceito de sala de aula invertida para levar o aluno à implementação do seu projeto de leitura.

Conteúdos

1. Desenvolvimento de procedimentos tendentes à necessidade de adequar as práticas pedagógicas ao desenvolvimento do Projeto de Leitura do aluno: a. Contextualização: o O Projeto de Leitura nos documentos orientadores dos ciclos de ensino; o Projeto de Leitura: objetivos; obras constantes nos Programas e sua adequação; o O Plano Nacional de Leitura enquanto elemento orientador do Projeto de Leitura nos diferentes ciclos de ensino; 2. Reflexão sobre a pertinência do Projeto de Leitura enquanto elemento aglutinador do desenvolvimento de aprendizagens e de atividades nos vários domínios do Programa: a. Domínios dos Programas: como usar o Projeto de Leitura para desenvolver os vários domínios dos Programas; b. Alguns sites, artigos, webinars, etc, sobre a importância de um Projeto de Leitura; 3. Incrementar o conceito de sala de aula invertida para levar o aluno à implementação do seu Projeto de Leitura.: a. A “flipped classroom” ou conceito de sala de aula invertida: o Apresentações sobre o conceito; o Aplicação para a construção de um Projeto de Leitura individualizado de cada aluno: criação de estratégias, atividades e materiais orientadores das várias tarefas, uso de plataformas (“Google Classroom”); o Sugestões para apresentações do projeto de cada aluno: da planificação, à execução e ao produto.

Metodologias

adequar as práticas pedagógicas ao desenvolvimento do Projeto de Leitura do aluno: o Contextualização;  Reflexão sobre a pertinência do Projeto de Leitura enquanto elemento aglutinador do desenvolvimento de aprendizagens e de atividades nos vários domínios do Programa: o Domínios dos Programas: como usar o Projeto de Leitura para desenvolver os vários domínios dos Programas;  Incrementar o conceito de sala de aula invertida para levar o aluno à implementação do seu Projeto de Leitura.: o A “flipped classroom” ou conceito de sala de aula invertida: • Apresentações sobre o conceito.  Apresentação do trabalho desenvolvido e exemplos de planificação de projetos de leitura dos alunos.

Avaliação

Participação: (25%) – Nas tarefas de realização presencial conjunta, assiduidade e pontualidade. Produtividade: (60%) – Qualidade dos materiais concretos para intervenção; Aplicabilidade dos mesmos nas práticas/aplicação de novos meios processuais ou técnicos/produção em contexto; - Reflexão crítica/introdução de ajustamentos. Socialização: (15%) – Partilha, cooperação/relacionamento interpessoal e prestação e integração de feedback

Modelo

A avaliação da ação desenvolver-se-á nas modalidades de avaliação interna (da responsabilidade do próprio grupo de formação e expressa num questionário elaborado pelo Centro) e externa (a cargo da Comissão Pedagógica do Centro, sob proposta conjunta do Consultor de Formação e do Diretor do Centro).

Bibliografia

Helena C. Buescu, Luís C. Maia, Maria Graciete Silva, Maria Regina Rocha. Programa e Metas Curriculares de Português (Ensino Secundário), maio de 2015. - Despacho n.º 8476-A/2018 , de 31 de agosto: “Aprendizagens Essenciais (AE) referentes ao Ensino Secundário”. - https://run.unl.pt/bitstream/10362/18465/1/Tese%20M.%20Isabel%20Vilar.pdf - http://pnl2027.gov.pt/np4/acoes?cat=estudos - Despacho n.º 8476-A/2018 , de 31 de agosto: “Aprendizagens Essenciais (AE) referentes ao Ensino Secundário”.

Anexo

20200916140958207.pdf

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 09-10-2020 (Sexta-feira) 16:00 - 19:00 3:00 presencial
2 21-10-2020 (Quarta-feira) 15:30 - 18:30 3:00 presencial
3 27-11-2020 (Sexta-feira) 17:30 - 20:15 2:45 Presencial
4 21-01-2021 (Quinta-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona

Ref. 110T1 Concluída

Registo de acreditação: Registo 110 CD nº

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 22-06-2021

Fim: 22-06-2021

Regime: Presencial

Local: Casa de Juventude de Olhão

Formador

Vera Marques

Destinatários

Educadores de Infância; Professores do 1º Ciclo;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 100, 110. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 100, 110.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/Município de Olhão; Aldeia – Acção, Liberdade, Desenvolvimento, Educação, Investigação, Ambiente (RIAS)

Razões

Esta ação surge da necessidade de se sensibilizar professores e educadores para a temática, no sentido de promover a disseminação da informação junto dos seus alunos.

Conteúdos

A Ria Formosa enquanto ecossistema O que é um bioindicador Exemplos de bioindicadores Como podem ser utilizados em monitorização Exemplos de atividades práticas a realizar com crianças

Anexo

2021_06_22_acd-programa_temático_bioindicadores_dos_ecossistemas.docx

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 22-06-2021 (Terça-feira) 16:30 - 19:30 3:00 Presencial

Ref. 114T1 Concluída

Registo de acreditação: Registo 114 CD nº ______________

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 14-06-2021

Fim: 18-06-2021

Regime: e-learning

Local: ON LINE

Formador

Mário Miguel Pereira Guedes

Destinatários

Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/ Etwinning

Razões

A ação eTwinning promove a colaboração entre escolas da Europa, com recurso às Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), proporcionando apoio, ferramentas e serviços que facilitam, em qualquer área disciplinar, a criação de parcerias, de curta ou longa duração. O eTwinning permite aos educadores e professores reorganizar as suas metodologias de trabalho, no sentido de tornar o processo de ensinar e de aprender mais atrativo para os alunos, o que certamente contribuirá para aumentar a proficiência das aprendizagens em diferentes áreas disciplinares. A Organização Nacional de Apoio ao eTwinning tem procurado apostar na formação dos professores no que respeita à metodologia de trabalho de projeto, tendo por base o eTwinning, e na utilização integrada das tecnologias de informação e comunicação (TIC) em contexto de sala de aula. Neste sentido, têm sido promovidas ações de formação em formato integralmente presencial, b-learning ou totalmente online. A metodologia proposta pelo eTwinning vai ao encontro dos Princípios, Valores e Áreas de Competência do Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, permitindo ainda a operacionalização dos diferentes Domínios da Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania, tanto de modo autónomo, como através da promoção da intercomunicação entre dois ou mais domínios de acordo com a Estratégia da Escola/Unidade Orgânica.

Conteúdos

a. Descobrir o Portal eTwinning b. Explorar o eTwinning live c. Planificar a próxima viagem d. Percorrer o TwinSpace e. Ferramentas Web 2.0 aplicadas ao eTwinning

Anexo

acd-programa_temático__EN2.docx

Observações

14 a 18/06/2021 - 18h00 às 19h15* *Exceto no último dia que será das 18h00 às 19h00 - Total = 6 horas

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 14-06-2021 (Segunda-feira) 18:00 - 19:15 1:15 Online síncrona

Ref. 107T1 Concluída

Registo de acreditação: Registo 107 CD nº 28 21.04.2021

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 09-06-2021

Fim: 09-06-2021

Regime: e-learning

Local: ZOOM

Formador

Sílvia Fernanda Murta dos Santos Graça Domingos

Destinatários

Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo de Português

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 200, 210, 220, 300, 350. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 200, 210, 220, 300, 350.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

CENTRO DE FORMAÇÃO RIA FORMOSA/ AGRUPAMENTO PAULA NOGUEIRA

Razões

Esta ACD resulta da necessidade de continuar a proporcionar oportunidades de transmissão de conhecimentos, partilha e reflexão entre docentes sobre as Aprendizagens Essenciais e a anualização dos conteúdos do domínio da Gramática. Importa também esclarecer e atualizar conhecimentos sobre conceitos gramaticais, para que as práticas se façam de forma cientificamente correta. Por último, urge dotar os docentes de conhecimentos digitais que permitam melhorar práticas docentes, ao mesmo tempo que se promove o desenvolvimento de competências de forma estimulante e centrada nos alunos.

Conteúdos

As Aprendizagens Essenciais e a anualização dos conteúdos; A clarificação de conceitos gramaticais; A articulação do ensino da gramática com os restantes domínios curriculares; O ensino da gramática com recurso a APP’s.

Anexo

acd-programa_tematico_XH8O9ju.docx

Observações

ACD destinada exclusivamente a professores do Agrupamento Paula Nogueira

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 09-06-2021 (Quarta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial

Ref. 116T1 Concluída

Registo de acreditação: Registo nº 116 CD nº_________________

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 21-05-2021

Fim: 21-05-2021

Regime: Presencial

Local: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DE DEUS

Formador

Luís Manuel Agostinho Horta

Destinatários

Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/AGRUPAMANTO JOÃO DE DEUS

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 21-05-2021 (Sexta-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Presencial

Ref. 103T1 Concluída

Registo de acreditação: Registo 103 CD nº 28 21.04.2021

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 19-05-2021

Fim: 19-05-2021

Regime: e-learning

Local: ZOOM

Formador

Isabel Maria Cabrita de Araújo Leite dos Santos Silva

Destinatários

Educadores de Infância; Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 100, 110, 200, 210, 220, 910, 920, 930. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 100, 110, 200, 210, 220, 910, 920, 930.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/PNL

Razões

Todos temos consciência de que a leitura tem um papel crucial para o percurso escolar e para a vida futura das crianças. Poder-se-ia mesmo dizer que ela é a chave para o desenvolvimento do potencial de cada aluno. Através da leitura desenvolve-se a linguagem, porque se enriquece o vocabulário e se exercita a compreensão de frases com estruturas sintáticas diversas; estimulam-se capacidades cognitivas gerais, como a atenção, a memória, o raciocínio; e adquire-se conhecimento. Sem ser capaz de ler bem, ou enquanto não o faz, a criança não consegue beneficiar de todas as oportunidades que a escola tem para lhe oferecer e, no limite, pode ver comprometido o seu percurso individual e escolar. Atualmente existe um razoável consenso entre peritos quanto a como aprendemos a ler, porque é que algumas crianças têm dificuldades nesta aprendizagem e quais as práticas de ensino que conduzem a melhores resultados. Sabemos, também, que para além de um conhecimento relativamente aprofundado das caraterísticas da língua em que vão ensinar a ler e da preparação no domínio da didática da leitura, os professores têm de ser capazes de avaliar os progressos dos alunos e adequar a natureza e o ritmo da instrução ao nível de desempenho de cada criança. O PNL, na sua missão de elevar os níveis de literacia dos portugueses e de promover a leitura como competência chave para a formação de cidadãos críticos e adaptados às mudanças da sociedade, dedica especial atenção à preparação para a leitura e a escrita e à sua aprendizagem. Nesse sentido apoia e fomenta esta formação, convocando os agentes educativos e os centros de formação a dinamizarem esta ação. Espera-se que a participação nesta formação tenha como principal motivação a aprendizagem pessoal, o desenvolvimento profissional e a aquisição de diferentes saberes através da exploração da Plataforma LER e da reflexão sobre as práticas pedagógicas.

Objetivos

- Tomar consciência da importância do conhecimento científico para uma prática pedagógica mais eficiente no ensino da leitura e da escrita; - Conhecer a estrutura da plataforma LER - Leitura e Escrita: Recursos; - Conhecer os contributos das ciências cognitivas para a compreensão da literacia e da sua aquisição.

Conteúdos

- Plataforma LER: Leitura & Escrita - Recursos - Conceitos fundamentais sobre a aprendizagem da leitura e escrita - Principais contributos das ciências cognitivas para a compreensão da literacia e da sua aquisição.

Anexo

Proposta_ACD_LER.docx

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 19-05-2021 (Quarta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona

Ref. 104T1 Concluída

Registo de acreditação: Registo 104 CD nº 28 21.04.2021

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 18-05-2021

Fim: 18-05-2021

Regime: e-learning

Local: ZOOM

Formador

SANDRA ISABEL COSTA ROMBA

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/Município de Olhão- Museu Municipal de Olhão

Conteúdos

Definir Património: uma abordagem temporal; Inverter olhares e dinâmicas de atuação na mediação cultural: do Eu para o Museu, do cidadão para a instituição; Abordagens pedagógicas: Minds on, hands on, hearts on; A criação de materiais de apoio.

Bibliografia

http://patrimoniocultural.gov.pt/static/data/docs/2021/02/15/RelatorioMuseusnoFuturo.pdf Hein, George, Learning in the Museum, Routledge, 1998 Lei Quadro dos museus portugueses-Lei nº 47/2004 de 19 de agosto

Anexo

acd-programa_temático-DOCENTES_.docx

Observações

Das 9h.30-12h.30

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 18-05-2021 (Terça-feira) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial

Ref. 85T1 Concluída

Registo de acreditação: Registo 85 CD nº 28 21.04.2021

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 17-05-2021

Fim: 17-05-2021

Regime: Presencial

Local: None

Formador

José António Moreira

Elisabete Maria Duarte Fernandes Carvalho

Destinatários

Professores do 2º Ciclo..Professores do 3º Ciclo.Professores do Ensino Secundário.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/CFAE Levante Algarvio/Universidade Aberta

Anexo

acd-V_CICLO_DE_CONFERENCIAS_hP1vR8J.pdf

Observações

Professores do Ensino Básico e Secundário com prioridade para os docentes que integram as Equipas do Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital das escolas ( PADDE)

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 17-05-2021 (Segunda-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona

Ref. 117T1 Concluída

Registo de acreditação: Registo 117 CD nº_____________

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 4.0 horas

Início: 15-05-2021

Fim: 18-05-2021

Regime: Presencial

Local: Agrupamento João de Deus

Formador

João Álvaro Rodrigues Fernandes

Destinatários

Professores do Ensino Básico.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 100, 110, 120, 910, 920. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 100, 110, 120, 910, 920.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/ Agrupamento Ria Formosa

Razões

Esta formação surge da necessidade que os professores do 1º ciclo do Agrupamento de Escolas João de Deus revelaram em melhorar as suas competências no campo do tratamento de imagem e vídeo no computador. Pretende que os docentes conheçam e usem os programas de edição disponíveis gratuitamente, quer para a recolha diária em fotografia e vídeo das atividades das turmas/escolas e posterior divulgação nos media sociais, quer para o uso de meios digitais na elaboração de trabalhos e projetos com os seus alunos. A formação terá um cariz prático e de partilha de conhecimentos, onde os participantes terão de realizar um pequeno vídeo com uma situação simulada do dia a dia e usando os programas indicados.

Objetivos

Tratamento de Imagem nos programas Paint 3D e GIMP - Tamanho e resolução de imagens - Menus: Desenho, tipografia, cores, 3D, autocolantes. - Fundos transparentes e colagens. - Vídeo da cronologia. Edição de vídeo no Open Shot - Importar ficheiros de vídeo, fotografias, música - Cortar, ampliar/reduzir, montagem. - Introduzir títulos e texto. - Transições e efeitos. - Exportar vídeo.

Anexo

Acd-imag_video.docx

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 15-05-2021 (Sábado) 16:30 - 18:30 2:00 Presencial

Ref. 96T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109167/20

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 15.0 horas

Início: 06-05-2021

Fim: 14-06-2021

Regime: Presencial

Local: Online em Maio e presencial em Junho

Formador

João Miguel do Carmo Lima

Destinatários

Grupos 260 e 620

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 260, 620. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 260, 620.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa

Razões

Sendo os jogos desportivos coletivos a matéria mais abordada nos conteúdos da disciplina de Educação Física e dada a necessidade de apresentar novas metodologias de ensino/aprendizagem e adequação às aprendizagens essenciais é necessário o conhecimento de diferentes abordagens ao ensino dos mesmos. Importa, assim, dotar os professores de Educação Física de variadas competências e metodologias de trabalho para a abordagem dos jogos colectivos, em diferentes contextos, junto dos alunos.

Objetivos

Pretende-se com esta ação a modificação nas práticas de como são apresentados e desenvolvidos os jogos desportivos coletivos em contexto escolar, tornando-os mais agradáveis e centrados nos alunos, promovendo uma maior adequação ao que é o seu perfil, bem como os que são relativos aos procedimentos de avaliação formativa e possibilidade de transfer entre os mesmos.

Conteúdos

Revisão teórica das diferentes abordagens baseadas no jogo- “Game Based Approach; - A concretização do perfil do aluno através dos Jogos Desportivos Coletivos; - Conteúdos a desenvolver através das aprendizagens essenciais; - Apresentação de propostas práticas de ensino/aprendizagem dos Jogo Desportivos Coletivos; - Apresentação de propostas de avaliação das aprendizagens;

Avaliação

Os formandos/participantes serão avaliados: - Participação dos formandos- 2,5 em 10; - Trabalho final- 5 em 10; - Relatório individual do formando- 2,5 em 10. A avaliação dos formandos será feita de uma forma quantitativa, numa escala de 1 a 10 e tendo em conta o disposto na Circular CCPFC-3/2007, bem como o constante do Dec.-Lei nº 15/2007, de 19 de janeiro, no que se refere ao sistema de avaliação e classificação dos docentes.

Anexo

20210405111115271.pdf

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 06-05-2021 (Quinta-feira) 18:00 - 20:15 2:15 Online síncrona
2 10-05-2021 (Segunda-feira) 18:00 - 20:15 2:15 Online síncrona
3 12-05-2021 (Quarta-feira) 18:00 - 20:15 2:15 Online síncrona
4 13-05-2021 (Quinta-feira) 18:00 - 20:15 2:15 Online síncrona
5 07-06-2021 (Segunda-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Presencial
6 09-06-2021 (Quarta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Presencial
7 14-06-2021 (Segunda-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Presencial

Ref. 30T3 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-108837/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 05-05-2021

Fim: 02-06-2021

Regime: e-learning

Local: Presencial

Formador

Mafalda Cristina Gomes Sousa Guerreiro

Destinatários

Educadores de infância, professores do ensino básico, secundário e educação especial

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa

Razões

O feedback é uma das competências centrais e mais poderosas que o professor deve dominar para garantir uma avaliação formativa com impacto positivo nas aprendizagens dos alunos. A investigação e as práticas têm demonstrado, porém, que, sendo central no âmbito de uma avaliação formativa e orientada para as aprendizagens, nem todo o feedback é eficaz e induz efeitos positivos. Na realidade, o feedback tanto pode ser uma poderosa estratégia ao serviço das aprendizagens, como um sério obstáculo a que as mesmas ocorram, originando até consequências contraproducentes. Pretende-se com esta Oficina que os professores possam refletir sobre a forma como os seus alunos recebem o feedback, o compreendem e o utilizam em prol da melhoria das suas aprendizagens.

Objetivos

• Que os docentes que frequentarem a oficina se possam apropriar, pela realização de pequenas atividades com os seus alunos, do uso do feedback em contexto escolar – no que se refere à organização das estratégias de feedback quanto à forma, ao conteúdo, ao tempo, à quantidade, ao modo e à audiência; • Que possam compreender, pela experimentação, que o feedback que é fornecido no âmbito da avaliação formativa se torna fundamental para a própria avaliação sumativa, a qual pode ser encarada e estruturada como um feedback de súmula, de balanço ou de ponto de situação numa escala temporal de média ou longa duração. • Que possam estruturar o feedback numa complementaridade de pelo menos, três componentes distintas: feed up, feed back e feed forward.

Conteúdos

1. Avaliação formativa e feedback 2.As componentes do feedback : feed up, feed back e feed forward 3.Estratégias de feedback quanto à forma e ao conteúdo - feedback de qualidade 4.Avaliação sumativa e feedback 5. Construção e materiais

Metodologias

Os formandos desenvolverão trabalho colaborativo, com o devido enquadramento teórico, em torno da construção de materiais para a implementação em contexto real de aprendizagem. Análise de textos e práticas, para uma resposta objetiva e operativa a questões como : qualidades do feedback numa lógica de avaliação para as aprendizagens, importância da complementaridade entre feed up, feed back e feed forward, compatibilidade (ou não) entre feedback (realização de comentários orais ou escritos, de natureza eminentemente qualitativa e descritiva, com o intuito de ajudar os alunos) e classificação (atribuição de notas)

Avaliação

Participação: (25%) – Nas tarefas de realização presencial conjunta Produtividade: (60%) – Qualidade dos materiais concretos para intervenção; - Aplicabilidade dos mesmos nas práticas/aplicação de novos meios processuais ou técnicos/produção em contexto; - Reflexão crítica escrita individual Socialização: (15%) – Partilha, cooperação/relacionamento interpessoal e prestação e integração de feedback

Bibliografia

Carvalho, C., Conboy, J., Santos, J., Fonseca, J., Tavares, D., Martins, D., Salema, M. H., Fiuza, E., & Gama, A. P. (2014). Escala de perceção dos alunos sobre o feedback dos professores: construção e validação. Laboratório de Psicologia, 12 (2), 113-124. [https://repositorio.ipl.pt/handle/10400.21/6368] Fernandes, D. (2004). Avaliação das aprendizagens: Uma agenda, muitos desafios. Cacém: Texto Editores. [http://repositorio.ul.pt/handle/10451/5509] Fernandes, D. (2011). Articulação da aprendizagem, da avaliação e do ensino: Questões teóricas, práticas e metodológicas. In J. M. De Ketele & M. P. Alves (Orgs.), Do currículo à avaliação, da avaliação ao currículo, pp. 131-142. Porto: Porto Editora. [http://repositorio.ul.pt/handle/10451/6988] Fernandes, D. (2011). Avaliar para melhorar as aprendizagens: Análise e discussão de algumas questões essenciais. In I. Fialho & H. Salgueiro (Eds.), Turma Mais e sucesso escolar: Contributos teóricos e práticos (pp. 81-107). Évora: Centro de Investigação em Educação e Psicologia. [http://repositorio.ul.pt/handle/10451/5664] Decreto-Lei n.º 55/2018, de 6 de julho.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 05-05-2021 (Quarta-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Online síncrona
2 12-05-2021 (Quarta-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Online síncrona
3 19-05-2021 (Quarta-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Online síncrona
4 26-05-2021 (Quarta-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Online síncrona
5 02-06-2021 (Quarta-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Online síncrona

Ref. 95T1 Concluída

Registo de acreditação: Registo 95 CD nº 28 21.04.2021

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 04-05-2021

Fim: 04-05-2021

Regime: e-learning

Local: ZOOM

Formador

Paula Maria Osório de Araújo Correia

Anabela Gonçalves de Moura Baptista

Ana Marta Esteves Branco da Silva Farrajota

Destinatários

Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/ Rede de Bibliotecas Escolares, Biblioteca Municipal de Faro, Biblioteca Municipal de Olhão e Biblioteca da Universidade do Algarve

Razões

As bibliotecas escolares têm vindo a consolidar o seu papel na escola através da melhoria das suas condições de funcionamento, do enriquecimento dos seus recursos e da sua ação pedagógica, contribuindo para formação dos alunos nas múltiplas literacias. Além disso, é também relevante o seu impacto na promoção da leitura, da arte e de outras manifestações culturais. São, pois, prioridades do trabalho da Biblioteca Escolar a promoção de competências e hábitos de leitura e escrita em diferentes formatos e modalidades, a valorização do património (local e global), o estímulo à criatividade, constituindo-se como agente transformador, capaz de desenvolver o gosto por diferentes manifestações culturais e criativas, enquanto marca distintiva da humanidade. Atendendo ao exposto, esta ação de curta duração visa promover um espaço de reflexão e partilha no âmbito destas temáticas e desafios que as bibliotecas escolares enfrentam.

Conteúdos

Leitura, Literatura, Arte e Património: 1. A arte de fazer leitores 2. Novas formas de ler. Que desafios ? 3. Plano Nacional da Artes 4. Outras formas de ler. Como seduzir?

Anexo

acd-Partilhar_Leituras_2021.pdf

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 04-05-2021 (Terça-feira) 09:30 - 17:30 8:00 Online síncrona

Ref. 106T1 Concluída

Registo de acreditação: Registo 106 CD nº 28 21.04.2021

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 27-04-2021

Fim: 04-05-2021

Regime: Presencial

Local: Auditório do Agrupamento de Escolas Dr. Alberto Iria

Formador

Mafalda Cristina Gomes Sousa Guerreiro

Destinatários

Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/ Agrupamento de Escolas Alberto Iria

Razões

No atual contexto de regresso ao ensino presencial urge encontrar medidas de atuação no âmbito do ensino-aprendizagem-avaliação promotoras da recuperação das aprendizagens estruturantes.

Conteúdos

Natureza e fundamentos da avaliação (Projeto MAIA) • Processos de avaliação pedagógica • Processos de recolha de informação • Critérios de avaliação e descritores/níveis de desempenho Recuperação das aprendizagens estruturantes • Metodologias ativas • Articulação vertical

Anexo

ACD_-_A_avaliação_como_resposta_à_recuperação_das_aprendizagens.pdf

Observações

Exclusiva a professores do Agrupamento Alberto Iria

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 27-04-2021 (Terça-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial
2 04-05-2021 (Terça-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona

Ref. 101T1 Concluída

Registo de acreditação: Registo 101 CD nº 28 21.04.2021

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 23-04-2021

Fim: 23-04-2021

Regime: e-learning

Local: ZOOM

Formador

Cláudia Isabel Guerreiro Carmo

Marta Brás

Destinatários

Professores do 3º Ciclo.Professores do Ensino Secundário.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP..

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/ UNIVERSIDADE DO ALGARVE

Razões

A ação de formação de curta duração pretende: - Definir conceções de saúde mental; - Identificar sinais de risco para a doença em contexto escolar; - Explorar estratégias de autocuidado do docente na gestão pessoal, familiar e profissional; - Dotar o docente de conhecimento que permita identificar e encaminhar os alunos em situações de risco psicológico para serviços especializados de saúde mental. A ACD pretende explanar conceitos centrais no domínio da Psicologia e da Saúde Mental com uma dimensão prática-dinâmica e aplicada a situações e preocupações concretas

Anexo

acd-programa_temático_Saúde_Mental.pdf

Observações

Cláudia Carmo (Doutorada em Psicologia, Professora Auxiliar da UAlg) Marta Brás (Doutorada em Psicologia, Professora Auxiliar Convidada da UAlg)

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 23-04-2021 (Sexta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona

Ref. 94T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109826/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 21-04-2021

Fim: 13-05-2021

Regime: e-learning

Local: None

Formador

Vítor Filipe Neto Guerreiro

Destinatários

Professores de todos os grupos de recrutamento

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/(DGE

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores da Comissão Europeia (doravante DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 1) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 1 (A1/A2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (B1/B2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos.

Conteúdos

1. Documentos enquadradores das políticas educativas atuais associados ao Plano nacional de Transição Digital. 2. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 3. Recursos Digitais: Exploração, seleção e adequação de RED ao contexto de aprendizagem. Utilização de RED interativos. 4. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais. 6. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos. 7. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo

20210405111102802.pdf

Observações

Cronograma disponibilizado em breve

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 21-04-2021 (Quarta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona
2 28-04-2021 (Quarta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Presencial
3 29-04-2021 (Quinta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Presencial
4 05-05-2021 (Quarta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Presencial
5 06-05-2021 (Quinta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Presencial
6 13-05-2021 (Quinta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona
7 19-05-2021 (Quarta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona
8 26-05-2021 (Quarta-feira) 17:00 - 21:00 4:00 Online síncrona

Ref. 94T2 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-109826/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 20-04-2021

Fim: 08-06-2021

Regime: e-learning

Local: None

Formador

Cristina de Fátima Duarte Filhó

Destinatários

Professores de todos os grupos de recrutamento

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para efeitos de aplicação do artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva a progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/(DGE

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores da Comissão Europeia (doravante DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 1) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 1 (A1/A2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (B1/B2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos.

Conteúdos

1. Documentos enquadradores das políticas educativas atuais associados ao Plano nacional de Transição Digital. 2. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 3. Recursos Digitais: Exploração, seleção e adequação de RED ao contexto de aprendizagem. Utilização de RED interativos. 4. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais. 6. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos. 7. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo

20210405111102802.pdf

Observações

Cronograma disponibilizado em breve

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 20-04-2021 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
2 27-04-2021 (Terça-feira) 18:15 - 21:15 3:00 Online síncrona
3 04-05-2021 (Terça-feira) 18:15 - 21:15 3:00 Online síncrona
4 11-05-2021 (Terça-feira) 18:15 - 21:15 3:00 Online síncrona
5 18-05-2021 (Terça-feira) 18:15 - 21:15 3:00 Online síncrona
6 27-05-2021 (Quinta-feira) 18:15 - 21:15 3:00 Online síncrona
7 01-06-2021 (Terça-feira) 18:15 - 21:15 3:00 Online síncrona
8 08-06-2021 (Terça-feira) 17:15 - 21:15 4:00 Online síncrona

Ref. 102T1 Concluída

Registo de acreditação: Registo 102 CD nº 28 21.04.2021

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 15-04-2021

Fim: 15-04-2021

Regime: e-learning

Local: ZOOM

Formador

Maria Estela Cordeiro Vieira Rodrigues

Destinatários

Educadores de Infância; Professores do 1º Ciclo; Grupo 120;Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 100, 110, 120, 910, 920, 930. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 100, 110, 120, 910, 920, 930.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa

Razões

Através da apresentação do projeto “Pensar a Imagem Olhar o Texto”, e do livro que o documenta, será abordada a corrente literária e estética da poesia visual e concreta, que inspirou procedimentos e produções de crianças pré-escolares, transferíveis também para outros níveis de ensino. Pretende-se desafiar educadores e professores para práticas de poéticas experimentais provocadoras de compreensão, análise e criação de “imagens-texto” e “objetos-texto”, no cruzamento entre a linguagem verbal e visual

Conteúdos

- A poesia, experimental, visual e concreta; - Fundamentação metalinguística, textual e semiótica para a sua abordagem com crianças em educação pré-escolar e outros níveis de ensino; - Testemunhos e partilha de saberes sobre práticas poéticas experimentais, em contexto de jardim de infância.

Anexo

acd-programa_temático_15_abril_pensar_a_imagem_olhar_o_texto.pdf

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 15-04-2021 (Quinta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona

Ref. 84T1 Concluída

Registo de acreditação: Registo 84 CD nº 28 21.04.2021

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 12-04-2021

Fim: 12-04-2021

Regime: e-learning

Local: ZOOM

Formador

José António Moreira

Elisabete Maria Duarte Fernandes Carvalho

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/ CFAE Levante Algarvio Universidade Aberta

Razões

A evolução das tecnologias digitais e de uma consciência de mundialização em rede têm provocado mudanças acentuadas na sociedade, impulsionando o nascimento de novos paradigmas, modelos, processos de comunicação educacional, bem como no- vos cenários de ensino e de aprendizagem. É, pois, impossível imaginar uma educação “unblended” – e não é se devemos combinar, mas como combinar, o que exige uma reengenharia dos processos de ensino e mudanças culturais, nas instituições e nos atores. Esta é a visão híbrida, uma visão de inovação sustentada, que projeta a realidade de um caminho nem sempre fácil de percorrer. É neste contexto de uma educação blended e híbrida, compreendida quanto à presença (física e digital), quanto às tecnologias (analógicas e digitais), quanto à cultura (pré-digital e digital) e, sobretudo, quanto aos ambientes e espaços (analógicos e digitais), que este texto encontra o seu espaço. O seu principal objetivo é, por um lado, analisar modelos híbridos que permitem articular e combinar diferentes ambientes de aprendizagem e, por outro, apresentar alguns conceitos a ter em consideração na planificação e gestão de atividades de aprendizagem nesses ambientes. Palavras-Chave: Educação Híbrida. Ambientes de Aprendizagem. Blended Learning.

Anexo

acd-V_CICLO_DE_CONFERENCIAS.pdf

Observações

Professores do Ensino Básico e Secundário com prioridade para os docentes que integram as Equipas do Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital das escolas ( PADDE)

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 12-04-2021 (Segunda-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona

Ref. 74T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110447/21

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 07-04-2021

Fim: 02-06-2021

Regime: b-learning

Local: ZOOM

Formador

Anabela Gonçalves de Moura Baptista

Ana Marta Esteves Branco da Silva Farrajota

Paula Maria Osório de Araújo Correia

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa

Razões

Respondendo às prioridades decorrentes da aprovação do atual quadro legal - designadamente, do Perfil dos Alunos para o século XXI e da Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania, vem a Rede de Bibliotecas Escolares (RBE) propor esta ação de formação visando o desenvolvimento de dinâmicas educativas promotoras de uma cidadania ativa, fundada no reconhecimento para a diversidade de contextos/culturas e no respeito pelos direitos humanos. Centrados nos alunos, os conteúdos e estratégias desta ação destinam-se a: - Incrementar a sua participação, em diferentes contextos, na vida da comunidade; - Valorizar áreas de conhecimento de natureza diversa e articulada; - Reforçar o papel da biblioteca escolar para promover consensos e gerar a paz.

Objetivos

- Explorar os conceitos de cidadania e de inclusão com base nas circunstâncias históricas e políticas inerentes à sua construção. - Reconhecer o valor da diversidade nas sociedades democráticas. - Compreender a construção do diálogo intercultural, com base no respeito pelos direitos humanos, como facilitadora de uma maior coesão social e da paz. - Preparar e discutir uma dinâmica de intervenção capaz de promover o exercício da cidadania inclusiva em diferentes contextos. - Perspetivar condições para promover, em cada contexto, ações sustentáveis no tempo e no espaço. - Conceber os projetos Todos juntos podemos ler, Miúdos a Votos e SOBE+ (RBE) como oportunidades de promoção da cidadania democrática inclusiva com a biblioteca escolar.

Conteúdos

Sessão 1. A construção dos conceitos de cidadania e de inclusão – Análise e discussão em assembleia de formandos (2 horas). - As circunstâncias históricas e a natureza dos projetos políticos da cidadania e da inclusão ao longo do tempo e no espaço local e global. Sessão 2. A diversidade de contextos/culturas das sociedades democráticas* e a possibilidade de construção do diálogo intercultural. (2 horas) - O caráter intrinsecamente heterogéneo, contestatário/resistente e dinâmico/mutável/ envolvente de cada cultura. - A troca aberta de visões do mundo com o propósito de viver juntos como iguais – cidadania democrática global, direitos humanos e interculturalidade. * Nações/cidades/bairros, etnias, religiões, orientações sexuais, diversidades, gerações, conhecimentos (infoexclusão)… Sessão 3. Dinâmicas educativas em/para a cidadania democrática em contexto de biblioteca escolar (3 horas): - Casos, testemunhos e incidentes críticos; - Questões, discussões e debates; - Comunidades de leitores, tertúlias e clubes; - Role-playings; - Assembleias ou fóruns; - Jogos e atividades expressivas; - Atividades exploratórias; - Outras ações. Apresentação, por parte dos formadores, e discussão, em assembleia de formandos. Sessões 4 e 5. Pesquisa, planificação e discussão, em grupo, de uma dinâmica de cidadania democrática relevante para o contexto educativo dos formandos (4 + 4 horas). Sessão 6. Apresentação, por cada grupo, da dinâmica educativa planeada e sua discussão em assembleia de formandos (4 horas). Sessão 7. A promoção da cidadania democrática a partir dos projetos desenvolvidos com a biblioteca escolar e, nomeadamente, Todos juntos podemos ler, Miúdos a Votos e SOBE+ (RBE) - Apresentação e discussão, em assembleia de formandos (3 horas). Sessão 8. Balanço e perspetivas para implementar e partilhar as dinâmicas planeadas de modo a garantir, em cada contexto, ações sustentadas (3 horas).

Metodologias

Sessões teórico-práticas (regime presencial), assentes na apresentação e discussão de ideias e de questões controversas a respeito da cidadania democrática e inclusiva com o propósito de envolver os formandos em alguns dos problemas da atualidade; sessões práticas baseadas no desenvolvimento de dinâmicas educativas promotoras da cidadania (trabalho de pesquisa, planificação, análise, relação e discussão em grupo e em assembleia) e sessões teórico-práticas sustentadas, por um lado, na tomada de consciência, reflexão, valoração e deliberação e, por outro lado, na exposição e argumentação tendo em vista a prossecução das ações planeadas no futuro (trabalho individual, em grupo e em assembleia).

Avaliação

- Avaliação contínua. Participação dos formandos nas atividades a desenvolver ao longo das sessões. - Avaliação dos trabalhos produzidos pelos formandos individualmente ou em grupo. - Relatórios individuais dos formandos. A avaliação expressa-se de acordo com a tabela de 1 a 10 valores, conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 06 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua de professores.

Bibliografia

COUNCIL OF EUROPE (2016). Competences for Democratic Culture - Living together as equals in culturally diverse democratic societies. [em linha]. Disponível em: https://rm.coe.int/16806ccc07 CONSELHO DA EUROPA, FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN, DÍNAMO (coord. M. Losego et al.) (2016). Compass. Manual de Educação para os Direitos Humanos com jovens. [em linha]. Disponível em: http://www.dinamo.pt/images/dinamo/publicacoes/compass_2016_pt.pdf MONIZ DOS SANTOS, M. (2014). Que escola? Que educação? Para que cidadania? Em que escola? Edição Alfarroba.

Anexo

20210420105917049.pdf

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 07-04-2021 (Quarta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona
2 14-04-2021 (Quarta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online assíncrona
3 21-04-2021 (Quarta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona
4 28-04-2021 (Quarta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online assíncrona
5 05-05-2021 (Quarta-feira) 16:00 - 20:00 4:00 Online assíncrona
6 19-05-2021 (Quarta-feira) 16:00 - 20:00 4:00 Online síncrona
7 26-05-2021 (Quarta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online assíncrona
8 02-06-2021 (Quarta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona

Ref. 91T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110593/21

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 30.0 horas

Início: 30-03-2021

Fim: 27-04-2021

Regime: Presencial

Local: ZOOM E ISE- UNIVERSIDADE DO ALGARVE

Formador

Jorge Semião

Cristiano Cabrita

Roberto Lam

Destinatários

Professores do 3º Ciclo; Professores do Ensino Secundário;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 500, 510, 530, 540, 550. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 500, 510, 530, 540, 550.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/ UNIVERSIDADE DO ALGARVE

Razões

As atuais mudanças em curso no quadro educativo encontram terreno fértil nos novos documento curriculares (DL 54/2018, e DL 55/2018, de 6 de julho e as estratégias para a cidadania e desenvolvimento, inclusão, e gestão dos Domínios de Autonomia Curricular no âmbito da Autonomia e Flexibilidade Curricular), reforçando e estabelecendo o desenvolvimento de um Currículo para o Século XXI. A componente experimental dos programas das áreas da matemática, das ciências, engenharias e tecnologias relevam a necessidade de fomentar o desenvolvimento de competências que permitam a aplicação das novas tecnologias relacionadas com a execução de projetos individuais ou em grupo que podem ser realizados nas escolas e que requerem alguns conhecimentos específicos do seu dia-a-dia. A Internet of Things (IoT) é uma tecnologia que tem por objetivo fornecer serviços inteligentes aos utilizadores conectando dispositivos entre si através da Internet e permitindo que estes troquem informação, formando uma rede ativa de sensores. O Arduino é uma plataforma de prototipagem, criada em 2005, com o objetivo de permitir o desenvolvimento de controlo de sistemas interativos de baixo custo acessível a todos. Nesta ação, a utilização das tecnologias no ensino/aprendizagem implicará a criação de atividades pedagógico-didáticas de conexão entre saberes de diversas disciplinas, permitindo ao aluno a resolução de problemas específicos do seu dia-a-dia e num ganho de motivação para a aprendizagem. Esta ação pretende dotar o público-alvo de ferramentas que lhes permitam a utilização de hardware e software, com base na tecnologia Arduino para poderem adotar, de forma transversal, um ensino mais diversificado e tecnologicamente mais evoluído.

Objetivos

Esta ação pretende que cada formando possa aprofundar conhecimentos da área da eletrónica estabelecendo uma ligação com a informática. Em suma, pretende-se: • Debater no plano teórico aspetos relacionados com IoT; • Fomentar a troca de experiências, de conhecimentos e ideias; • Elaborar alguns materiais e atividades transdisciplinares preparadas para desenvolver em ambiente da sala de aula; • Capacitar os formandos com conhecimentos: i) de análise de circuitos eletrónicos básicos; ii) de análise do funcionamento de sensores; iii) essenciais de funcionamento de microcontroladores Arduino e iv) essenciais de interligação de sensores e a Web; • Envolver os participantes na definição de procedimentos de ação e na produção de materiais de intervenção adequados aos seus diferentes contextos de trabalho; • Aplicar, nos contextos pedagógico-didáticos, os materiais e exercícios produzidos; • Refletir sobre as práticas educativas desenvolvidas e os resultados obtidos.

Conteúdos

A componente presencial estrutura-se em 3 momentos: 1.º Momento: (5h) A ação será enquadrada por um ciclo de sessões de introdução aos circuitos e às leis elementares de análise à programação em Arduino. Serão exploradas estratégias que permitam a utilização das tecnologias relacionadas com projetos individuais ou em grupo que podem ser realizados na sala de aula e que requerem conhecimentos específicos de programação e de hardware. A metodologia a adotar terá em conta as experiências intrínsecas e conhecimentos dos formandos, atendendo a que os mesmos são portadores de um repertório experiencial extremamente valioso que importa convocar e valorizar em contexto de formação. 2.º Momento: (4h) Os formandos serão convidados a potenciar as condições de aplicação da tecnologia, de forma a suportar a pedagogia e a aprendizagem em ferramentas especificamente orientadas para uma realidade mais operacional e focada no ambiente real, com base na tecnologia Arduino. Estudar-se-ão boas práticas, utilizar-se-ão as ferramentas técnicas adequadas, produzir-se-ão materiais de planeamento e gestão curricular traduzidos em projetos pedagógico-didáticos de intervenção. 3.º Momento: (6h) Num terceiro momento, concomitante e conclusivo dos anteriores, far-se-á um trabalho de aplicação, experimentação e avaliação das ferramentas/materiais produzidos que permitirá aos participantes adquirirem conhecimentos dos sistemas de monitorização automática de dados na prática didática experimental. Abrir-se-ão espaços de debate e trocas de experiências que são muito importantes para a aprendizagem conjunta, sendo os formandos convidados a partilhar as suas reflexões, perspetivas e propostas de intervenção. As 15h de duração da ação serão assim distribuídas: Módulo I - Introdução aos circuitos e às leis elementares de análise. (3h) - Noções de resistividade, sinais analógicos e digital, corrente AC e DC. Lei de Ohm, Lei das correntes e Lei das tensões de Kirchoff. - Princípios básicos de magnetismo. - Introdução ao funcionamento do motor DC e do motor passo a passo. Controlo PWM. - Análise do funcionamento de alguns sensores típicos, transformadores, comutadores magnéticos. - Análise do funcionamento de instrumentos de medidas. Utilização de amperímetros e voltímetro. Análise do Osciloscópio: estudo dos controlos do canal vertical e horizontal, funções avançadas de medida, modo X-Y, etc. Módulo II - Programação em Arduino. (3h) - Introdução às livrarias e instruções típicas para leitura de dados de sensores Digitais e Analógicos. - Introdução aos conversores DAC e conversores ADC. Consulta de dados de sensores através de Serial Monitor. - Utilização de aplicação terminal para comunicação (ex: putty, scp, hyperterminal). Utilização de componentes de eletrónica básicos. - LEDs, sensores de temperatura, iluminação, botões de pressão, etc. - Aplicação de relés para controlo de motores. Aplicações práticas para a integração de sensores e Arduinos. Módulo III - Introdução a um microcontrolador arduino compatível (nodemcu, wemos ou equivalente). (3h) - Preparação de ambiente WEB básico. - Utilização de plataformas online de registo de dados: Introdução e configuração básica d IoT: OpenEnergyMonitor, thingsboard e thingspeak. - Configurações típicas: exemplos. Módulo IV - Projeto aglutinador: Aquisição, envio e tratamento de dados de sensores para configuração de dashboard em plataforma online. (3h) Módulo V - 3 h - Apresentação de trabalhos e avaliação da ação.

Metodologias

A interligação e alternância entre conceitos teóricos e aplicações práticas seguirá um carácter teórico-prático onde o formador apresenta e explica detalhadamente os conteúdos programáticos para a compreensão das matérias, centrando-os na resolução de problemas de natureza prática com vista à consolidação e aprofundamento das competências. A metodologia assenta na construção de propostas intradisciplinares e na sua aplicação em contexto. O trabalho em sala visará a produção de propostas e análise crítica das mesmas. Após a testagem em contexto, serão devolvidas à sala de formação as análises para reflexão e reformulação. Criação de ambientes de aprendizagem colaborativa e intradisciplinar. Construção de um portefólio individual de formando que será um instrumento dinâmico e promotor da transformação de práticas. Trabalho prático em colaboração com o contexto real de trabalho dos formandos. Reflexão crítica sobre os documentos apresentados.

Avaliação

A avaliação dos formandos decorre em conformidade com o Regime Jurídico da Formação Contínua, o nº 2 do Artigo 46º do ECD, aprovado pelo Decreto-Lei nº 15/2007, de 19 de Janeiro e a Carta Circular CCPFC – 3 – 2007 – Setembro. A avaliação dos formandos resultará da incidência nos Critérios/Parâmetros: - Participação/Contributos: Participação nas sessões (dinâmica da participação e qualidade das intervenções). (10%) - Competências desenvolvidas (observação de práticas e portefólio de atividade) e partilhas sobre o trabalho autónomo desenvolvido. (20%) - Trabalho final (em equipa): - Aplicação de ferramentas com base na utilização, em contexto, de hardware e software, da tecnologia Arduino (plano de intervenção, avaliação de práticas e materiais de apoio). Qualidade dos materiais produzidos. (50%) - Produção de uma reflexão final, individual. (20%) A avaliação final, que terá em conta os referidos parâmetros/critérios de classificação, será traduzida numa classificação expressa na escala de 1 a 10 valores: insuficiente (1 a 4,9 valores), regular (5 a 6,4 valores), bom (6,5 a 7,9 valores), muito bom (8 a 8,9 valores) e excelente (9 a 10 valores).

Bibliografia

Getting Started with Arduino and Genuino products, acedido online em https://www.arduino.cc/en/Guide/HomePage Nilsson, James W; Susan A. Riedl (2000). Electric Circuits, Prentice-Hall. Campilho, Aurélio (2000). Instrumentação Electrónica. Métodos e Técnicas de Medição. FEUP Edições, 1-ª Edição. Rocha, António Adrego (2006). Introdução à Programação usando C, FCA-Informática W. Evans, Brian. Arduino Notebook: A Beginner’s Reference. USA. (2007). Disponível em https://arduinobot.pbworks.com/f/Manual+Programacion+Arduino.pdf

Anexo

20210405111850269.pdf

Observações

Os formadores integram o corpo docente do instituto Superior de Engenharia da Universidade do Algarve. Estes docentes, doutorados nas matérias desenvolvidas na ação, nomeadamente em áreas transversais à eletrotecnia e à informática, com elevada experiência na formação em diversas unidades curriculares afins às temáticas deste curso. Lecionam no referido Instituto cadeiras de Eletricidade e Eletrónica no curso de Licenciatura e Mestrado em Eng.ª Elétrica e Eletrónica e em 3 cursos Técnicos Superiores Profissionais em áreas afins da informática e eletrotecnia nos quais é habitual integrar estes tópicos no desenvolvimento de atividades de interligação entre sensores e dispositivos eletrónicos.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 30-03-2021 (Terça-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona
2 06-04-2021 (Terça-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
3 20-04-2021 (Terça-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial
4 27-04-2021 (Terça-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial
5 04-05-2021 (Terça-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial

Ref. 92T1 Concluída

Registo de acreditação: Registo 92 CD nº 28 21.04.2021

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 25-03-2021

Fim: 25-03-2021

Regime: e-learning

Local: ZOOM

Formador

Patrícia Maria Catarino Barreira Palma

Fernanda Filipe Rebelo Silva

Bruno Miguel Vaz Fernandes

Silvina de Sousa Paulo Rita

Maria Madalena Carmo Santos Rosário

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do 1º Ciclo e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 100, 110, 120, 910, 920, 930. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 100, 110, 120, 910, 920, 930.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/ Agrupamento Pinheiro e Rosa

Razões

Esta Ação de Formação de Curta duração surge na sequência do Projeto Erasmus + “Seeds of tellers” (Sementes de Contadores de Histórias) que decorreu entre 2018 e 2021 e que pretendeu criar um centro de recursos online europeu, que coadjuve os docentes a desenvolver a comunicação oral dos seus alunos através do património da literatura oral. Nesse sentido, esta ação pretende divulgar os recursos elaborados pelos países parceiros (França, Bélgica, Itália, Bulgária e Portugal) de forma que os docentes possam utilizá-los livremente na sua prática letiva. Estes recursos são: um guia pedagógico, uma biblioteca de contos, contos em suporte áudio, contos em formato vídeo, fichas explicativas sobre os diversos tipos de contos e fichas com ideias sobre como transformar os alunos em contadores de histórias, desenvolvendo assim a arte do saber escutar, do saber falar, e, consequentemente, do saber pensar. Deste modo, dar-se-á destaque quer aos benefícios da introdução de hábitos de narração oral no quotidiano das salas de aula, como se explorará algumas das ferramentas disponíveis para que possam utilizá-las na sua prática pedagógica.

Conteúdos

-Ensino e Aprendizagem da Comunicação Oral - Benefícios da Literatura oral: cognitivos, linguísticos e sociais - Literatura Oral e a estruturação do pensamento e do discurso - Literatura Oral como meio de compreender a linguagem simbólica da língua - Técnicas que permitem desenvolver a Expressão Oral

Anexo

acd-programa_temático_-_Sementes_de_Contadores_de_Histórias.pdf

Observações

Formadores: Mestre – Patrícia Maria Catarino Barreira Palma Mestre – Fernanda Filipe Silva Licenciado - Bruno Miguel Vaz Fernandes Licenciada – Maria Madalena Rosário Licenciada – Silvina Rita

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 25-03-2021 (Quinta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Presencial

Ref. 81T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-111086/21

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 22-03-2021

Fim: 07-06-2021

Regime: Presencial

Local: ZOOM

Formador

Carla Carmo Correia Limpo de Assis

Destinatários

Professores de todos os grupos de recrutamento

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 110, 120, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260, 290, 300, 310, 320, 330, 340, 350, 360, 400, 410, 420, 430, 500, 510, 520, 530, 540, 550, 560, 600, 610, 620, 910, 920, 930, TEC.ESP.. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/DGE

Razões

O desenvolvimento da competência digital das organizações educativas é uma dimensão fundamental na qualidade do trabalho de ensino e aprendizagem realizado nas escolas. Existem referenciais europeus que enquadram o desenvolvimento digital das escolas: o DigCompEdu enquadra a necessária competência digital dos docentes e o DigCompOrg as Organizações Educativas, no desenvolvimento da sua competência digital. Através destes referenciais, o propósito da oficina é apoiar as escolas e os professores no seu desenvolvimento integral, através da criação de Planos de Ação para o Desenvolvimento Digital das Escolas (PADDE), desenvolvidos no âmbito do Plano de Capacitação Digital dos Docentes, promovido pela Direção-Geral da Educação.

Objetivos

Pretende-se apoiar as escolas na promoção de estratégias e de ações integradoras do digital que permitam melhorar a qualidade do trabalho realizado. Na formação pretende-se que os docentes elaborem um PADDE para a sua Escola, num processo em rede e promotor de mudança organizacional. São objetivos específicos da oficina: - refletir sobre processos organizativos, pedagógicos e tecnológicos que com recurso a ferramentas e a ambientes digitais promovam a qualidade do processo educativo - conceber e implementar um PADDE nos contextos das escolas a partir de diagnósticos com o Check-In e SELFIE - envolver os docentes em comunidades de prática, suportadas em trabalho colaborativo e interdisciplinar, estimulando a reflexão, a partilha e a utilização crítica do digital em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem da necessidade de capacitar os docentes para o desenho de PADDE adequados ao contexto das suas escolas, de acordo com os diagnósticos. 1. Documentos de enquadramento das políticas educativas. 2. A competência digital de uma organização educativa e processos de mudança para a melhoria da qualidade do trabalho 2. Envolvimento profissional: processos de liderança na era digital e desenvolvimento profissional dos professores. 3. Inovação pedagógica nas organizações educativas com o digital. 4. Estratégias de diagnóstico e de reflexão nas organizações educativas para a tomada de decisão: - DigCompEdu e Check-In - DigCompOrg e SELFIE 5. Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital das Escolas: - Rationale, objetivos e dimensões de intervenção - Desenho de ações - Metodologias de implementação, monitorização e avaliação - Técnicas de comunicação 6. Processo de intervenção/ação, avaliação / monitorização, reflexão e reformulação dos PADDE 7. Estratégias de divulgação dos PADDE e dos seus resultados.

Metodologias

As sessões presenciais destinam-se à exploração de referenciais teóricos e de documentos orientadores, bem como à reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; reflexão sobre inovação em educação e lideranças na era digital; realização de atividades práticas em ambiente colaborativo, de partilha e reflexão; abordagem a estratégias e metodologias de desenvolvimento de projetos centrados na escola; desenho dos PADDE das escolas dos formandos. No trabalho autónomo pretende-se que os formandos promovam nas suas escolas a discussão e reflexão sobre: os resultados dos diagnósticos; o desenho do PADDE e sua adaptação ao contexto e necessidades da escola; os resultados previstos da sua implementação. Na última sessão os formandos apresentarão os PADDE desenvolvidos, proporcionando-se momentos de partilha e reflexão conjunta promotores de melhorias

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Modelo

Aplicação e análise de questionários de avaliação preenchidos pelos formadores e pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2020). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://ec.europa.eu/education/sites/education/files/document-library-docs/deap-swd-sept2020_en.pdf Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Kampylis, P., Punie, Y. & Devine, J. (2015); Promoting Effective Digital-Age Learning - A European Framework for Digitally-Competent Educational Organisations. Disponível: ttp://publications.jrc.ec.europa.eu/repository/bitstream/JRC98209/jrc98209_r_digcomporg_final.pdf

Anexo

20210405121536242_zh3oYrN.pdf

Observações

A Resolução do Conselho de Ministros n.º 30/2020 que aprova o Plano de Ação para a Transição Digital prevê um investimento nas competências digitais dos docentes, articuladas com outras áreas de intervenção: distribuição de equipamentos com conectividade a alunos e professores e disponibilização de recursos educativos digitais. A utilização das tecnologias digitais em contexto profissional, pedagógico e didático torna-se um desígnio e a sua integração nos diversos domínios das Organizações Educativas (OE), fundamental. Esta formação centra-se no desenvolvimento da proficiência digital das OE, focado no contexto específico de atuação dos formandos e das suas escolas. A partir da realização de diagnósticos, pretende-se que os participantes se envolvam ativamente no desenho do Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital das suas escolas, com foco nas melhorias organizacionais.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 22-03-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
2 05-04-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
3 12-04-2021 (Segunda-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona
4 19-04-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
5 03-05-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
6 24-05-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial
7 31-05-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial
8 07-06-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 21:30 4:00 Presencial

Ref. 97T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-111534/21

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 15.0 horas

Início: 22-03-2021

Fim: 19-04-2021

Regime: e-learning

Local: None

Formador

Luís Sérgio Vieira

Destinatários

Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Parceria

CENTRO DE FORMAÇÃO RIA FORMOSA/ AGRUPAMENTO PAULA NOGUEIRA

Razões

A publicação do DL 31/2002, de 20 de dezembro, torna obrigatória a autoavaliação das escolas enquanto processo de autorregulação e melhoria da qualidade do serviço educativo prestado. Neste sentido, a credibilidade do trabalho desenvolvido depende dos processo de implementação da autoavaliação, nomeadamente: organização - a equipa - o plano de ação, a metodologia das práticas e o impacto esperado e efetivo nos domínios de avaliação.

Objetivos

- Capacitar a equipa de autoavaliação de conhecimentos e competências específicas adequadas às funções que desempenha. - Conhecer ferramentas benéficas à organização e para a sustentabilidade da autoavaliação; - Estabelecer um planeamento estratégico da autoavaliação; - Contribuir para a adoção de procedimentos consistentes nas práticas de autoavaliação; -Transferir a informação decorrente das práticas de autoavaliação para a melhoria dos procedimentos da atividade na escola.

Conteúdos

1. Apresentação do curso e dos participantes (1 horas). 2. Significados das práticas de autoavaliação em contexto escolar: definição do conceito, modelos de autoavaliação da qualidade, projetos educativos e territórios de intervenção (4 horas). 3. Organização e sustentabilidade da autoavaliação: a articulação e suas (inter)dependências entre práticas de avaliação acerca da atividade da escola (4 horas). 4. Planeamento estratégico da autoavaliação e a retroação: planos, ações de melhoria, procedimentos de monitorização, ações de autorregulação, manutenção e mudança das atividades na escola (6 horas).

Metodologias

O curso decorrerá em sessões presenciais teórico-práticas A metodologia a utilizar basear-se-á em dinâmicas vivenciais e participativas durante as quais os formandos terão a oportunidade de, individualmente ou em grupo, participar em diversos exercícios práticos, quer para reflexão e partilha no âmbito das práticas de autoavaliação, tendo em consideração os modelo que utilizam; a função que exercem no âmbito das equipas de autoavaliação; os projetos educativos. O curso terá a duração de 15 horas presenciais, nas quais serão explorados os conteúdos apresentados, mediante uma abordagem teórico prática. Para tal, as metodologias a utilizar serão, maioritariamente, ativas e vivenciais, de forma a desenvolver competências práticas e mais significativas, que possam ter real impacto nas práticas dos membros da equipa de autoavaliação e outros docentes.

Avaliação

- Reflexão critica individual (70%) - Participação / Realização das Tarefas nas Sessões (30%)

Bibliografia

Simões, G. (2010), Auto-avaliação da escola – Regulação de conformidade e regulação de emancipação, Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, Lisboa Carrasqueiro, E. (2009). Práticas de Avaliação Interna de uma Escola: a pertinência da autoavaliação. In Actas do X Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia (pp. 3935-3945). Figari, G (2008), A avaliação da escola: questões, tendências e modelos, in Avaliação com sentidos: contributos e questionários, Alves, P. e Machado, E. (org.), Santo Tirso, De Facto Editores pp. 41-72 OFSTED (2006), Best practice in self-evaluation - A survey of schools, colleges and local authorities, Londres, HMI Educação, C. N. (2005). Avaliação das Escolas: Fundamentar Modelos e Operacionalizar Processos. Lisboa: Ministério da Educação.

Anexo

20210405105921422.pdf

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 22-03-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
2 23-03-2021 (Terça-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
3 06-04-2021 (Terça-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
4 07-04-2021 (Quarta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
5 26-04-2021 (Segunda-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona

Ref. 93T1 Concluída

Registo de acreditação: Registo 93 CD nº 28 21.04.2021

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 20-03-2021

Fim: 20-03-2021

Regime: e-learning

Local: ZOOM

Formador

Alexandre José da Costa Ferreira

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Professores do Ensino Secundário, Professores de Educação Especial e Técnicas Especiais

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/ Centro de Ciência Viva do Algarve

Razões

O reconhecimento de que os desafios da sociedade contemporânea e as exigências quotidianas, profissionais e outras, conduzem a uma utilização multidisciplinar dos saberes é um dos alicerces do pensamento que preside à definição de uma estratégia de autonomia e flexibilidade curricular. A abordagem conceptual do currículo permite múltiplas interpretações relativamente ao seu conteúdo e aos modos e perspetivas utilizados construção e desenvolvimento (Pacheco, 2003). No contexto em que atualmente vivemos, com a definição de um Perfil do Aluno à Saída da Escolaridade Obrigatória (Gomes et al.,2017), e a publicação de legislação que permite uma gestão flexível do currículo, os professores devem assegurar aprendizagens significativas que envolvam os alunos numa cidadania humanista e integradora, com uma visão global adequada ao mundo atual, usando metodologias que facilitem a preparação científica dos alunos, integrada, tornando-os aptos para tomarem decisões fundamentadas, criativas e críticas, com destaque para os valores de cidadania. O papel das lideranças é fundamental na inovação e transversalidade possíveis, e as mudanças são tanto mais rápidas o quanto empenhadas na mudança se encontram as lideranças (Azorin et al., 2019) e no apoio/facilidades que dão aos docentes para a mudança (Marsh e Farrell, 2015), é sabido que, no campo da educação, mudanças graduais são geralmente mais sustentáveis que mudanças radicais (Florian, 2000; Hargreaves e Goodson, 2006). Esta questão está parcialmente “inquinada” pelas limitações do crédito horário (Despacho Normativo n.º 10-B/2018) nas escolas públicas. De igual modo, para garantir que as mudanças sejam benéficas para todos e não apenas para um grupo selecionado são necessárias mudanças transformacionais ou nível das mentalidades (Goldin e Katz, 2008). Um dos problemas que se levanta num trabalho interdisciplinar é a necessidade de gestão do currículo. No entanto, é fundamental distinguir as abordagens que resultam e as que não resultam (Robinson, Hohepa e Lloyd 2008). A ênfase deve ser colocado na necessidade de abordagens em que as aprendizagens se tornem significativas, o que gera uma nova pressão temporal na gestão do currículo. Obviamente que sempre se geriu o currículo e sempre se terá de gerir, embora as decisões fossem tomadas longe da escola e dos professores (Roldão e Almeida, 2018). São os constrangimentos curriculares a que uma escola submete os seus alunos e os seus professores que nos interessa discutir (Cosme, 2012). Importa sobretudo refletor sobre o modo como os constrangimentos poderão superados de modo a construir janelas de oportunidade de empoderamento cultural e pessoal dos alunos. Perante a necessidade premente de uma intervenção que permita ultrapassar os principais problemas sentidos pelos docentes, pretende-se refletir com os mesmos sobre as ferramentas colaborativas que lhes permitirão ajustar as suas práticas às necessidades atuais. Nesta sessão será dada ênfase a alguns exemplos de trabalho de parceria utilizando Domínios de Autonomia e Curricular (DAC) enquadrados numa metodologia de projeto que já foram desenvolvidos e propostas outras possibilidades de abordagem interdisciplinar no contexto do currículo. Privilegiar-se-ão abordagens de trabalho de projeto. A implementação destas metodologias é um desafio que embora constitua um estímulo à aprendizagem (Baeten et al., 2010), carece de fatores diversos para que as mesmas possam ser eficazes, mas que resultam, normalmente, em produtos realistas de que os alunos se apropriam (Jones, Rasmussen e Moffitt, 1997).

Conteúdos

1. Autonomia e Flexibilidade Curricular 2. Conexões matemáticas e não matemáticas 3. Domínios de Articulação Curricular (DAC) 4. Interdisciplinaridade 5. Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória 6. Trabalho de Projeto 7. Trabalho colaborativo

Anexo

acd-Programa_Temático_-__Articulação_curricular_multidisciplinar_-_CCVA_r6tkd7T.pdf

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 20-03-2021 (Sábado) 10:00 - 13:00 3:00 Online síncrona

Ref. 90T1 Concluída

Registo de acreditação: Registo 90 CD nº 28 21.04.2021

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 18-03-2021

Fim: 18-03-2021

Regime: Presencial

Local: ZOOM

Formador

Maria Estela Cordeiro Vieira Rodrigues

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do 1º Ciclo e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira dos grupos 100, 110, 120, 910, 920, 930. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 100, 110, 120, 910, 920, 930.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa

Razões

Como cidadãos e educadores, temos uma responsabilidade integral para com as linguagens, enquanto ferramentas culturais e comunicacionais, a fim de compreendermos como as nossas crianças veem/leem, interpretam, atuam e recriam diferentes manifestações simbólicas, nas interações culturais e significativas do seu quotidiano, em casa, na rua e outros contextos de vida. A “leitura do mundo social” requer, assim, competências de semiótica e literacias específicas de diferentes saberes.

Conteúdos

- Comunicação, literacias e cidadania. - Funções, géneros e suportes textuais verbais e não verbais, convencionais e não convencionais. - Identificação e sintaxe de elementos de diferentes sistemas simbólicos: pictogramas, ideogramas, letras, algarismos, notas musicais, coreografias, códigos ecológicos, de prevenção e proteção civil e outros. - As ideias prévias das crianças e a atribuição de sentido aos sinais gráficos nos seus contextos de vida. - Estratégias para práticas semióticas na educação.

Anexo

acd-programa_temático_Literacias_e_Cidadania.pdf

Observações

Formadora - Mestrado pré-Bolonha na FPCEP - Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação do Porto, em psicologia do Desenvolvimento e Educação da Criança com o tema "A Emergência da Literacia em Contexto de Jardim de Infância".

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 18-03-2021 (Quinta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Presencial

Ref. 82T1 Concluída

Registo de acreditação: Registo 82 CD nº 28 21.04.2021

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 03-03-2021

Fim: 03-03-2021

Regime: Presencial

Local: ZOOM

Formador

Sandra Cardoso

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

CENTRO DE FORMAÇÃO RIA FORMOSA / AGRUPAMENTO DE ESCOLAS TOMÁS CABREIRA

Anexo

acd-programa_temático.docx

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 03-03-2021 (Quarta-feira) 17:00 - 21:00 4:00 Online síncrona

Ref. 88T1 Concluída

Registo de acreditação: Registo 188 CD nº 28 21.04.2021

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 03-03-2021

Fim: 09-03-2021

Regime: Presencial

Local: MEET

Formador

Ema Carla Mendes da Conceição Salero

João Marco Beldroegas Calquinha

Destinatários

Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;

Releva

Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 8º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para os efeitos previstos no artigo 9º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.

Acreditado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Parceria

Centro de Formação Ria Formosa/ Agrupamento de Escolas Alberto Iria

Razões

As novas tecnologias, em contexto educativo, são fundamentais ao bom exercício docente. O momento presente catalizou essa mudança, trazendo novos olhares ao ensino presencial. A formação que aqui se propõe, não se limita ao Ensino à distância. Permite que todos os docentes ganhem competências num mundo ainda desconhecido para muitos, cujo desafio é constante. À Escola exige-se caminhar a passo com as novas tecnologias, os novos domínios e novas técnicas. Os alunos têm permanentemente acesso à internet e, com isso, carregam outros valores, outras capacidades. A boa comunicação entre diferentes idades, muitos à distância de meio século, deve ser sempre a prioridade, refinada com novos conceitos, olhares e sensibilidades, sistematicamente. No período vivido, a iletracia digital é um problema cada vez maior, mais visível e mais presente. Esta formação pretende esclarecer, com a prática, introduzindo temas complexos, no sentido de permitir integrar a educação e a tecnologia, e ligar os novos valores à sabedoria da experiência.

Anexo

acd-programa_temático_RECURSOS_DIGITAIS_AO_SERVIÇO_DO_ED.pdf

Observações

Exclusiva a docentes do Agrupamento Alberto Iria

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 03-03-2021 (Quarta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Presencial
2 09-03-2021 (Terça-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Presencial